Pesquisar
Close this search box.

Começou a chorar quando viu torcer o pescoço da galinha

Foi no choro da criança que o avô sentiu vergonha de matar a galinha

Foto: Pexels

Quando viu torcer o pescoço da galinha, que tentava escapar, começou a chorar. Foi no choro da criança que o avô sentiu vergonha de matar a galinha.

A menina antes olhava a galinha que olhava a menina. E o avô então olhava a menina que não queria olhar o avô.

O olhar da menina continuava em direção à galinha, mas a galinha não olhava de volta para a menina.

Havia um par de olhos vazios e a menina sabia que ali já não havia nada.

A cabeça que já não tinha sustentação a entristecia – uma moleza que vinha do que doía. “Precisava matar a galinha?”, perguntou.

O avô não soube o que dizer, porque ninguém nunca tinha perguntado. Era uma surpresa, que fazia pensar no que não tinha pensado.

Era a menina que via a galinha que o avô não via. Era como se vissem duas galinhas, uma para viver e outra para morrer.

Mas não é a que morre que também não deseja não morrer? Quantos olhares recebem um mesmo animal? O que dizem esses olhares?

Qual está mais próximo do que pode ser dito que seja a vontade do animal que não querem mais vivo do que morto? O avô ficou em silêncio por algum tempo.

Ainda segurava a galinha, que era somente corpo frágil que mais cedo corria pela capoeira e ciscava.

O avô aproximou-se da menina e prometeu não matar nem comer mais galinha.

A que morreu também ninguém comeria, prometeu. “E os outros?”, perguntou a menina.

Jornalista (MTB: 10612/PR) e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *