Categorias: Opinião

Há uma forma certa de matar quem não quer morrer?

Foto: Aitor Garmendia

Imagine que matemos animais para consumo sem impor-lhes qualquer dor, que há um meio de arrancar-lhes a vida sem que nada sintam no fim, ainda que possam enxergá-lo. Afinal, só poderíamos impedir isso se lhes arrancássemos os olhos antes.

Sabemos o que fazemos com eles, que impedimos suas reações, que não estão gemendo, agonizando, externalizando sonoramente ou corporalmente qualquer possível inquietude porque abstraímos essa capacidade. É correto matá-los apenas porque queremos e julgamos que podemos?

Estaríamos a enganá-los para arrancarmos deles tudo que desejamos a partir de seus fins. Então diríamos que não sofreram, e teríamos orgulho disso, embora suas vidas em nada se diferenciassem de muitos outros animais, a não ser pelo fato de que “gritaríamos ao mundo que estes estão 100% livre de sofrimento” – pelo menos no processo de abate.

A vida desses animais não viria de um esteio de domínio, de controle sobre suas vidas? Não viveriam tão pouco quanto os outros? Não seriam vítimas de nossas imposições? E a quem serviria esse propósito, de “dor ausente”, à consciência humana ou aos animais que esfolamos? Não seria mais um argumento para ampliação da subjugação? Para enviarmos mais animais para a sangria?

Promoveríamos o “abate sem dor” em pretensa consideração aos abatidos ou aos nossos interesses? Há maneira justa de matar quem não anseia pela morte? A questão da dor é agravante, mas sua hipotética ausência anula a gravidade da massificação da matança ou da própria individualidade destruída para a produtificação da carne?

Sabemos que matamos animais que articulam e desenvolvem suas estruturas sociais, que são criaturas de características coletivas e particulares, que reagem à vida, ao ambiente, as ações que envolvem sua fisicalidade ou que abrandam ou intensificam suas emoções e sentimentos.

Um animal saudável e morto pela primazia de nossos interesses alimentícios, independente das especificidades do sistema que arranca a vida de sua carne, era um ser vazio em relação ao sentir ou nós que roubamos-lhes mais uma vez para triunfo de nossa conveniência?

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago