Artes Visuais

Pintora homenageia animais que matamos para consumo

Pinto os animais que exploramos de uma maneira que não podemos nos afastar deles. Eles estão completamente lá, totalmente sencientes e conscientes” (Artes: Chantal P. Durocher)

A pintora canadense Chantal P. Durocher define o seu trabalho como “uma homenagem aos animais” – principalmente aqueles que matamos para consumo.

Em suas pinturas, bovinos, suínos, galináceos, ovinos e caprinos estão entre os seres não humanos carregados de uma expressividade que clama à nossa consciência e sensibilidade.

Eles olham para nós com expressão pacífica e simpática, que reforça uma natureza sensível e benevolente, assim como um pedido pela não redução de suas vidas a alimentos e outros produtos. Alguns parecem sorrir para o espectador, mesmo sem abrir a boca.

Outros manifestam estados de doçura e vulnerabilidade também por meio das lágrimas que precedem os seus tristes destinos e de seus semelhantes.

É como se estivéssemos diante daqueles animais

Os detalhes amparados pelas ricas nuanças do realismo dão às pinturas de Chantal Durocher um caráter quase fotográfico e testemunhal. Afinal, é como se estivéssemos diante daqueles animais, que mimetizam emoções e sentimentos de bilhões de mortos para consumo por ano.

“Sou vegana e uma artista profissional há mais de 30 anos. Tento usar meu talento para homenagear os animais que exploramos”, explica Chantal, que desde 2009 vive no Panamá com o marido e inúmeros cães resgatados de situações de maus-tratos.

Além de conceber por meio da pintura animais em situações de liberdade e confinamento, a artivista canadense tem obras em que explora com sutileza o antropomorfismo, em um exercício de “mesclar sem mesclar” que incita a reflexão de que todos estamos conectados na rede da vida – numa cadeia de impactos que o seu reconhecimento depende apenas da nossa percepção.

“Eles estão completamente lá, sencientes e conscientes”

Partindo dessa consideração, podemos reconhecer e valorizar o fato de que os animais coisificados também sentem, partilham de sentimentos análogos, por isso merecem nossa empatia e respeito. Afinal, e se fôssemos nós no lugar deles?

“Há alguns anos, depois de ler, fazer algumas pesquisas e assistir ao chocante documentário ‘Earthlings’, com Joaquin Phoenix, decidi usar meu talento para aumentar a conscientização sobre a situação dos animais criados para consumo, pintando a beleza e a vulnerabilidade daqueles seres bonitos e sensíveis”, relata.

E acrescenta: “Pinto os animais que exploramos de uma maneira que não podemos nos afastar deles. Eles estão completamente lá, totalmente sencientes e conscientes.”

Além de chamar a atenção para a importância de não tomarmos parte na exploração dos animais, Chantal P. Durocher também já doou e ainda doa pinturas para entidades que atuam em defesa dos direitos animais, com o objetivo de ajudar na arrecadação de recursos.

Acompanhe o trabalho da artista:

Website

Facebook

Instagram

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

51 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

21 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

24 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago