Notícias

Até 30% das vacas leiteiras acabam no matadouro a cada ano

Há casos em que vacas jovens “são descartadas” por falharem no processo reprodutivo (Foto: Jo-Anne McArthur/We Animals)

O consumidor de leite costuma ter uma ideia romantizada da produção leiteira, e imagina uma vaca gerando leite para consumo humano de acordo com sua vontade. No entanto, a realidade não é bem assim. Vacas utilizadas na produção de leite também terminam no matadouro, e podem ter a morte decretada a partir de fatores que envolvem desde baixa produtividade até condição ginecológica ou dos úberes.

São esses fatores que motivam o abate de até 30% das vacas leiteiras no Brasil a cada ano. Se uma vaca não for abatida neste ano pode ser que seja no ano que vem. Afinal, o último destino delas também é a indústria da carne. Além disso, esse percentual de “descarte” de vacas leiteiras no país, seguido por reposição do rebanho, é uma recomendação da Empresa brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para quem visa “manter a produtividade em uma propriedade de gado leiteiro”.

Entre os critérios para o abate desses animais, segundo a Embrapa, estão a idade do animal, queda da fertilidade, falha reprodutiva, temperamento, qualidade dos úberes e condição ginecológica e dos pés. “A produtividade das vacas e a maior incidência de doenças podem ser motivos suficientes para o descarte do animal, os problemas de casco, de aprumo, de ligamentos do úbere, são grandes influenciadores de descarte”, assinala o médico veterinário Wadson Costa, da empresa de nutrição animal Nutroeste.

Há casos em que vacas jovens “são descartadas” por falharem no processo reprodutivo. “Quanto antes for feito o diagnóstico da gestão, mais rapidamente pode ser realizado o descarte, evitando-se que o animal fique mais tempo na propriedade ou, caso a intenção seja fazer o confinamento para que o animal ganhe peso antes de ser vendido ao frigorífico, isso pode ser feito o quanto antes”, informa a Embrapa.

Já o site Educapoint sustenta que “o abate adequado das vacas reduzirá a chance de que uma carcaça seja condenada no frigorífico e se torne um dreno de dinheiro para a indústria de carne bovina.”

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Rejeitado por Kataguiri, PL que propõe alternativa à tração animal será avaliado por outro relator

Depois de ser rejeitado pelo deputado e relator Kim Kataguiri (União-SP) na Comissão de Trabalho,…

24 minutos ago

A dor de ser bacon

Quando chegou em casa para o almoço, encontrou um porco na cozinha. Corpulento, ia de…

2 horas ago

Queda na criação de aves estimula grupo avícola a investir em proteínas vegetais

A Louis Dreyfus Company (LDC), maior grupo avícola da França, anunciou este mês que estima…

22 horas ago

Aveda é reconhecida como marca livre de crueldade animal pela CFI

De acordo com informações da organização Cruelty Free International (CFI), a fabricante de cosméticos Aveda…

23 horas ago

PL que cria regime jurídico especial para os animais aguarda votação

O PL 6045/2019, dos deputados federais Ricardo Izar (Republicanos-SP) e Weliton Prado (Pros-MG), que propõe…

1 dia ago

Por que nunca mais comeu frango

Colocou um frango resfriado na cesta e sentiu líquido viscoso. Fez cara de nojo. Trocou…

1 dia ago