Categorias: NotíciasOpinião

Deputada que criticou leites vegetais diz que leite de vaca é essencial

Foto: Cleia Viana/Agência Câmara

A deputada federal Aline Sleutjes (União-PR), que em 2021 manifestou-se contra o uso do termo leite para produtos de origem vegetal, alegando que gera “competição desarmônica com produtos de origem animal”, apresentou um projeto de lei para instituir a Política Nacional de Apoio e Incentivo à Pecuária Leiteira.

No PL 207/2022, ela diz que o leite de vaca “é um alimento essencial para a dieta e saúde de mais de 213 milhões de brasileiros”. Ou seja, segundo a deputada, toda a população do país depende do leite para ser saudável.

A afirmação é contraposta pela realidade, já que não é toda a população do país que consome leite e derivados. Além disso, como elevar o leite a alimento essencial para a saúde se há tantas pessoas saudáveis que não consomem leite? E até mais saudáveis do que quem consome.

Nessa afirmação, Aline Sleutjes ignora veganos, vegetarianos, intolerantes a lactose e pessoas que, por qualquer outro motivo, não consomem leite. Porém, a afirmação equivocada por generalização tem apenas um objetivo, que é garantir que o governo crie uma política pública para evitar prejuízos no setor leiteiro.

Isso significa também custeá-la por meio de impostos pagos pelos contribuintes, inclusive aqueles que não apoiariam esse tipo de proposta. “A pecuária leiteira vem sofrendo duramente nos últimos anos e uma das razões é ausência de uma política pública de apoio e incentivo a este setor da agropecuária”, frisa a deputada que em 2021 apresentou a Indicação 516, também com o mesmo objetivo da atual proposta e criticando as alternativas aos laticínios.

“[A intenção] é evitar que o consumidor seja induzido ao erro em consumir produtos que não são de origem animal”, alegou a deputada, contra o uso da palavra leite para produtos vegetais. Aline Sleutjes fala em “consumidor” e “população”, mas tanto em seu projeto de lei quanto em sua indicação é fácil perceber que a única intenção é defender os interesses do setor leiteiro, não do “consumidor” ou da “população”.

Outro erro cometido pela parlamentar no PL 207/2022 é afirmar que o projeto de lei contempla a “sustentabilidade ambiental da pecuária leiteira”. Vale lembrar que as vacas leiteiras são as maiores responsáveis pelas grandes emissões de metano – um dos principais gases de efeito estufa – a partir da pecuária. O metano é considerado até 30 vezes mais potente do que o dióxido de carbono.

Clique aqui e conheça seis motivos para não consumir laticínios.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago