Documentário discute percepções e emoções de animais reduzidos a alimentos

Fotos: Gentle Barn Sanctuary

Lançado este ano, o documentário “Perception”, que tem duração de pouco mais de 57 minutos, discute sobre a vida e as emoções dos animais reduzidos a alimentos.

Dirigido por Paaras Modi, o filme, feito durante um período de isolamento social em decorrência da pandemia, apresenta cientistas e ativistas abordando também como nossas percepções em relação aos outros animais moldam a forma como os tratamos.

Entre os destaques do documentário estão os neurocientistas David Edelman e Lori Marino, e a fundadora do santuário Gentle Barn, Ellie Laks, que já resgatou muitos animais nos EUA com histórias que atraíram atenção internacional – como “Os Seis de Saint Louis”, bovinos que escaparam de um matadouro em Saint Louis (MO) em 2017.

Expert em comportamento e inteligência animal, Lori Marino já publicou vários artigos em que destaca que, para além da capacidade de sofrer, ter experiências emocionais, muitos animais reduzidos a alimentos conseguem reconhecer intervalos de tempo, utilizar memórias pessoais de eventos passados e exercer autocontrole – tudo isso permite antecipar ações.

“Por exemplo, quando antecipam um evento negativo, neutro ou positivo, frangos e galinhas demonstram preocupação, desinteresse ou alívio. Ao aguardar um esguicho de uma pistola d’água (um evento negativo), mexem mais a cabeça e o corpo, um comportamento de estímulo correlacionado com a ansiedade”, informa.

Capacidades e reações dos animais

Isso acontece também porque, segundo Lori Marino, esses animais possuem capacidades que se correlacionam com a memória episódica – o que se torna mais evidente ainda quando vivem por mais tempo. “Estudos de autocontrole e autoconsciência sobre galináceos ajudam a fornecer uma sensação de quem são para si mesmos.”

Além da variedade de emoções que os animais criados no contexto da pecuária experimentam, eles também ‘captam’ sentimentos um do outro. Considerado uma forma simples de empatia, o contágio emocional ocorre quando um indivíduo experimenta uma emoção ao testemunhar outro indivíduo experimentando a mesma emoção.

Além disso, Lori Marino cita que as emoções dos animais reduzidos a alimentos desencadeiam facilmente reações corporais como aceleração dos batimentos cardíacos. E eles usam isso como referência para tomar decisões sobre os tipos de ambiente que preferem, por exemplo, aqueles com menos estresse.

Ainda assim, são conclusões que “apenas arranham a superfície” sobre quem são os animais tratados como produtos – indivíduos com capacidades particulares de manter hábitos, preferências, comportamentos complexos e relações sociais. Mas que infelizmente ainda preferimos matar aos bilhões por ano, e muitos antes de reconhecerem ou desenvolverem inúmeras de suas capacidades.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

2 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

3 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

3 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

3 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

3 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

3 semanas ago