Categorias: Opinião

Leite é violência e morte

Foto: Andrew Skowron

Se estou em um mercado, observo uma caixa de leite de vaca e digo que não consumo porque significa violência e morte, acharão que sou louco, darão risada. Na melhor das hipóteses, pensarão que “perderam algo em relação à minha fala”.

Eu poderia achar estúpida a reação e percebê-los como ignorantes e alienados – condená-los e afastar-me desprezando-os. Mas seria uma situação de uma verdade? Quais informações mais chegam ao consumidor médio, que nunca esteve perto de uma vaca ou de um bezerro no sistema convencional de leite? Ele sabe que é comum animais serem mortos quando não considerados úteis à “cadeia produtiva”?

Por que ele concordaria comigo se todas as mensagens que envolvem leite/derivados por “fontes produtivas”, incluindo propagandas, mostram que é processo que consiste apenas em fleumática ordenha animal? Os símbolos e significados construídos em torno desse sistema a partir da infância o fariam pensar o oposto?

O que reforçava a escola sobre o consumo de leite e que o oferecia como alimento essencial na sua não essencialidade? Quais elementos da cultura da mídia o motivavam a pensar o oposto disso? O que diziam os profissionais de saúde?

Quantos reforços ao longo da vida o levaram a pensar no leite como dispensável e como produto de imposição, violação da intimidade (do que depende a lactação?), violência e morte? Tudo sobre o leite a partir de fontes propagandísticas é pacífico; e são ardis que invadem nossos lares, nossas mentes, pela oficialização.

A propaganda então ganha caráter de essencialidade, irrefutabilidade; ainda que evoque até (ausente) alegria manifesta por animais em múltiplas quimeras de antropomorfismo.

Esses símbolos que abraçamos bem cedo serão nossos referenciais, a não ser que haja conflito que nos permita repensar hábitos e por que os mantemos, e a quem atendemos? O que seria esse paladar que não resultado de condicionamento?

Quando, por iteração, moldado, leva ao estranhamento sobre determinadas observações. Pode despertar deboche, resistência e tanto mais. Então não posso dizer que estranhável é não saber que na indústria do leite a vida existe à medida que existe leite. Quando não há, morrem todos – bezerros e vacas. Mas quando essas informações chegam até nós, o que devemos fazer?

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago