Categorias: Contos e Crônicas

Natal, uma celebração de violência na mesa

Ilustração: Matt Kenyon

Enquanto as pessoas comiam, pensou nos animais que já não viviam. “É Natal, como é estranha a celebração do Natal.” Observou a diversidade de carnes que era mais resultado duma gula do que qualquer outra coisa.

“Apetite pelos animais chega a um nível ainda mais esdrúxulo no final do ano. Será que quantas pessoas realmente acreditam que são carnívoras? Passam mal e ignoram o quanto distante estão dos tigres e dos leões. Que carnívoro em verdade preocupa-se com temperos, preparos, fogo, churrasqueira e forno? O prazer também vem da crueza. E uns dizem-me que carnívoros são. Ó, se fossem viveriam só à base de carne, sem alimento de origem diversa.”

Mas isso era o que menos importava. Mesa farta de violência doía-lhe os olhos. “E como não doer? Estou diante duma que daria pra encher um quarto de animais se ainda estivessem vivos.” Então alguém começou a discursar sobre compaixão, sobre a dádiva da vida.

Olhou para a mesa e alguns apenas acenavam com a cabeça em concordância enquanto devoravam partes assadas de animais de cinco ou seis espécies. “Meu coração enche de generosidade nesta época. Quero levar o bem a todos, quero que todos sintam-se satisfeitos e experimentem felicidade e paz sem precedentes”, ouviu.

As palavras saíam de uma boca com hálito gorduroso do pernil dum leitãozinho abatido no dia anterior. Como gemeu e sofreu o pequeno. Alguém achou que seria melhor fazer o serviço depois de colocar um saco escuro em sua cabeça. Foi o que fizeram. “Pelo que contaram, não pareceu-me menos do que tortura, um vil espetáculo de sangue. E onde é diferente se dor é coisa premente?”

As partes dos animais desapareciam da mesa. “Está de parabéns quem preparou o cordeiro! Realmente macio, sabor não muito acentuado. Perfeito!”, ouviu. “Poucos meses de vida e um ato de compaixão é abrigá-lo na barriga? Quanta compaixão cabe numa barriga?” Uma criança apareceu para mostrar um pequeno presépio. “Eu disse que só não comeriam aqueles porque não eram feitos de carne. E riram e comeram o que sobrou dos animais.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

16 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago