Categorias: Contos e Crônicas

Quando porcos não chegaram ao matadouro

Foto: Andrew Skowron

Apareceu oportunidade de transportar porcos para um pequeno matadouro. Nunca carregou nada com vida – apenas grãos e farelo. Mas não viu problema em experimentar para avaliar se compensava investir. “De repente, até abro negócio de carga viva.”

Não era preciso tocar nos animais, porque o carregamento seria feito pelos funcionários da fazenda e a recepção dos porcos pelos funcionários do abatedouro. “Parece fácil. Por que não?” Armando tinha boa referência.

Assim que colocaram os animais na carroceria, ele a fechou sem olhar para os porcos. Era preciso percorrer cerca de 45 quilômetros até chegar ao matadouro.

Enquanto dirigia, ligou o rádio e ouviu notícia sobre uma porca que se escondeu na mata para evitar que fosse separada de dez porquinhos criados para o abate.

Mudou de estação e uma apresentadora anunciou que um porco saltou de um veículo a caminho do matadouro. “Com o caminhão em movimento? Eita! Porco faz isso? É bicho corajoso, hein?”

Os minutos passavam e Armando lembrou que não estava transportando grãos. Parou no posto para usar o banheiro e quando voltou teve curiosidade de ver os porcos na carroceria. Abriu bem devagar e eles o encararam. “Quantas dezenas de olhos…”

Deixou aberta por um, dois, três minutos para avaliar a reação dos suínos. Queria saber se algum deles tentaria fugir. “Vocês são bem mansos mesmo. Têm ideia pra onde tão indo? Não tem volta, viu? Vocês vão parar ali ó”, disse apontando o dedo para a lanchonete de onde vinha cheiro de carne de porco.

Os porcos continuavam na mesma posição. Armando sentiu pena e ficou incomodado em perceber que eram “dóceis demais”. “Se tivesse um buraco aqui e eu empurrasse vocês pra dentro, acho que cairiam dentro sem resistir. O que fizeram com vocês?”

Trocou mais olhares e voltou para a cabine. Dirigiu até o matadouro com um foco. “Devo apenas concluir o serviço.” Na zona de recepção, viu porcos sendo “guiados à base de choque” e desistiu de deixá-los naquele lugar. “Não posso fazer isso com vocês. Não sei o que vai acontecer comigo, mas sei o que vai acontecer com vocês.” Virou o caminhão e partiu.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Rejeitado por Kataguiri, PL que propõe alternativa à tração animal será avaliado por outro relator

Depois de ser rejeitado pelo deputado e relator Kim Kataguiri (União-SP) na Comissão de Trabalho,…

16 minutos ago

A dor de ser bacon

Quando chegou em casa para o almoço, encontrou um porco na cozinha. Corpulento, ia de…

2 horas ago

Queda na criação de aves estimula grupo avícola a investir em proteínas vegetais

A Louis Dreyfus Company (LDC), maior grupo avícola da França, anunciou este mês que estima…

22 horas ago

Aveda é reconhecida como marca livre de crueldade animal pela CFI

De acordo com informações da organização Cruelty Free International (CFI), a fabricante de cosméticos Aveda…

23 horas ago

PL que cria regime jurídico especial para os animais aguarda votação

O PL 6045/2019, dos deputados federais Ricardo Izar (Republicanos-SP) e Weliton Prado (Pros-MG), que propõe…

24 horas ago

Por que nunca mais comeu frango

Colocou um frango resfriado na cesta e sentiu líquido viscoso. Fez cara de nojo. Trocou…

1 dia ago