Categorias: Opinião

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

A cada minuto que dedico a este texto, são mortas mais de 11,9 mil dessas aves (Foto: Andrew Skowron)

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e suínos. Em relação a suínos, o número de frangos mortos por ano é 116 vezes maior; em relação a bovinos, é 224 vezes maior.

Frangos morrem mais porque são animais pequenos, mortos com não mais de 45 dias e peso médio de três quilos. A maior vítima do sistema alimentar brasileiro é o frango – mais ainda em tempo de crise financeira, porque sua miséria também intensifica-se com as dificuldades econômicas, elevando a demanda por sua carne, que também é por sua morte.

A cada minuto que dedico a este texto, são mortas mais de 11,9 mil dessas aves. Também é tempo suficiente para o desaparecimento de frangos de mais de três grandes caminhões, considerando os que transportam, em média, 3,3 mil aves. Claro, “desaparecimento” como eufemismo para degola, sangria e fim.

Quando vejo essas aves penduradas de ponta-cabeça, e a mecanicidade/velocidade com que são mortas, penso em como nosso sistema trivializou o ato de matar por meio de sua institucionalização, mutável aos interesses hegemônicos.

É como se pendurassem “algo indefinível”, “uma coisa que deve sangrar”, e destituída de associação com uma ideia de ser e pertencer. Há um tempo, célere, que não reconhecemos, e esse tempo, o que representa para quem já deixa de ser?

A velocidade que aponto também como visceralidade da banalização, por exercício de repetição que nunca chega ao fim, pode ser o oposto para quem não sou, que não compartilha dessa percepção de tempo, e que pendurado está para ser degolado.

Toda plataforma industrial de abate de frangos remete à continuidade. Observe a posição dos corpos fragilizados das aves, em suas imobilidades ou subtrações parciais até tornarem-se totais. Morrem simultaneamente, com pouca distância entre elas.

A matança de frangos é simbólica do “aperfeiçoamento” de uma arbitrariedade institucionalizada, porque ocorre em um espaço industrial, de legitimidade legal pouco depreciada, em que o número mais elevado de vidas deixa de ser, como se nunca fosse, pela primazia do lucro/consumo.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

36 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago