Categorias: Opinião

Por que comemos criaturas de vontades?

Foto: Aitor Garmendia/Tras Los Muros

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu corpo, suas manifestações e ações falam.

Mesmo quando reificados pelo sistema alimentar, pela sua corporalidade vinculada à proteína animal (carne, leite, ovos, etc), não deixam de ser criaturas que transmitem linguagem, que também é meio de comunicar senciência.

Quantos significados um animal é capaz de transmitir no decorrer de uma breve vida para ser um produto que gera produtos? Se reconhecemos impressões e insatisfações, há linguagem, mas mesmo quando não as reconhecemos a linguagem não deixa de existir.

Não digo que podemos reconhecer todas as vontades dos animais, que são expressadas por linguagem, mas o entendimento de que são concretas, em unidade ou pluralidade, já evoca ideia incontestável de que estamos diante de alguém.

No entanto a percepção do alguém também varia conforme contexto, e do que o alguém pode ser ou não ser. Por exemplo, um animal morto fora de um ambiente não institucionalizado, “não oficial”, gera repúdio inexistente em um cenário que existe para sua subjugação e/ou morte.

Ou seja, há locais em que o alguém pode deixar de ser alguém pela crença de que trata-se de espaço aceitável de destruição de sua condição física, de sua expressão corporal viva. É como dizer que há ambientes ideais, excelentes para arrancar-lhe a vida do corpo.

Ademais, mesmo no ambiente “não institucionalizado” o repúdio pode não ter relação com a ideia do “alguém”, e sim do “que” – se a rejeição ao ato associa-se ao posterior à ação, que não evoca o animal, mas o reduzir e o imposto fragmentar-se de sua matéria que leva ao incômodo em relação ao “produto resultante”.

Ou pode ser expressão de desconforto em relação não à situação do animal, já desanimalizado pela violência inerente, e sim do testemunho de sua não condição, em um ambiente que considere inadequado, não sanitizado.

Em todos esses exemplos há irreconhecimento e representações endossados não pela realidade, mas pela ideia de realidade e factibilidade adotadas em atribuições arbitrárias que transitam entre o que entendemos e defendemos como “aceitável” e “inaceitável”.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

21 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

24 horas ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

3 dias ago