Categorias: Contos e Crônicas

A violência vendida em forma de produtos

Ilustração: Jo Frederiks

No supermercado, começou a ler os rótulos dos produtos. “Por que usam tantos ingredientes de origem animal?” Não conseguia dar um passo sem pegar um produto e concluir que ali havia algo que foi retirado de um animal a partir de sua morte ou exploração; e reconhecidas pela ingenuidade ou conveniência como pacíficas.

“Mas o que há de pacífico em consumir algo que nunca existiu para nós? O que há de pacífico em condicionar animais há serem reféns de nossas predileções? A morte imposta a alguém em nome do prazer é pacífica? E a morte que surge como sentença da produtividade ou improdutividade não é derradeira?”

Poderia citar produtos equivalentes livres do uso de animais para todos os que encontrava, e era isso que tornava aquela realidade ordinária ainda mais estranha e reprovável. “O que há de errado com o ser humano? Por que ainda permite tanta violência em forma de produtos?”

Olhou ao redor, num passeio de olhos solitários, onde o único incômodo era o seu, e refletiu sobre como um supermercado concentra em suas fileiras tanta destruição dentro de embalagens.

“Neste corredor, o que posso dizer sobre estes produtos? Quantas vidas não humanas foram violadas e interrompidas para que chegassem às nossas mãos? E não estou falando agora de pedaços de animais mortos reduzidos a cortes que agradam aos olhos dos consumidores. Há muito mais onde ninguém está olhando…”

Pensou também em como uma embalagem bem elaborada pode ser tão desconectada da origem de seu conteúdo. “Neste pacote tem oito ingredientes de origem animal. Será que vieram de quantas criaturas? Não sei, mas, julgando pela validade, duvido que alguma delas ainda esteja viva, e há aquelas que tiveram ingredientes extraídos depois de mortas…”

Chacoalhou outro produto. “Algo tão pequeno e tão carregado de arbitrariedade. Se há beleza fora, não ousaria dizer o mesmo do que está dentro. Ingredientes com nomes estranhos, dissociativos e desconhecidos, até pela conveniência, são como carícias em uma consciência e coração que não querem ser vencidos por um despertar de consideração; porque, quando há, uma transformação é difícil de rejeitar.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago