Arte: Dana Ellyn

A gente se divertia todos os dias. Quem? Eu e Bravo. Quando queria brincar, ele sempre esfregava o focinho macio no meu joelho. É, não o conheci, mas imagino como está se sentindo.

Bravo reconhecia sons, identificava todo mundo que chegava. Adorava música. Eu colocava Mogwai pra ele antes de dormir. Se acostumou e já não dormia sem ouvir “Take Me Somewhere Nice”.

Chegou a machucar alguém? Não. Crescemos juntos, mas ficou grande bem rápido. Entendo. Ele adorava quebra-cabeças. Tinha um de 15 peças, segurava cada peça pela alcinha branca e encaixava certinho nas lacunas. Tinham formas de frutas, sua comida preferida.

Sério isso? Nunca vi bicho nenhum fazer algo assim. Aprendemos muito com ele, mas nosso apreço não tinha relação com sua inteligência. Por que teria? Bom, mas muita gente fica surpresa quando conto que um dia minha mãe colocou muita água na panela de pressão, uma vizinha a chamou e começaram a conversar. 

Naquele dia, Bravo foi até ela e avisou do jeito dele que tinha algo de errado. Fez um barulhão. Minha mãe correu até a cozinha onde a água transbordava sobre o fogão. Havia água quente pra todo lado. Outra vez, sentiu cheiro estranho. O gás estava vazando. Imagine…

Ele morreu com que idade? 17 anos. Passei parte da minha infância e toda a minha adolescência com ele. Que amizade legal. Às vezes, eu encostava a cabeça em sua barriga e cochilávamos assim. Ninguém se incomodava. Nem eu nem ele.

Sempre acordava antes de mim e era melhor do que eu em identificar horas. Você teve um amigão. Eu achava que ele era único, mas a verdade é que era mais do que isso – como um representante de todos.

Sabe, não é sobre fazer qualquer coisa por nós. Quando somos capazes de ver algo de especial em um, considerando inerência e vontade, somos capazes de ver nos outros também. Realmente, cachorros são incríveis. São sim. Mas Bravo não era cachorro, era um porco que livramos da morte em um matadouro.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

14 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago