Categorias: Notícias

Campanha propõe reflexão sobre a exploração de bilhões de aves

“Buscamos destacar as condições brutais em que essas aves vivem na indústria” (Foto: Sinergia Animal Internacional)

Esta semana, a organização internacional Veganuary está realizando uma campanha de conscientização intitulada #SalvemosaLasGalinas, que chama atenção para a realidade de bilhões de frangos e galinhas criados para atender hábitos alimentares.

“Buscamos destacar as condições brutais em que essas aves vivem na indústria e conversar sobre seguir uma alimentação baseada em vegetais, que pode contribuir com a questão”, informa Anita Krepp, gerente de comunicação da Veganuary Brasil.

A campanha que termina no dia 10 conta com o apoio de personalidades e de empresas. Vale destacar que as aves estão no topo da lista de animais mantidos em confinamento por toda a vida para fins de consumo. Ou seja, o mais distante possível de manifestar importantes comportamentos naturais.

“Muitas pessoas que seguem uma dieta onívora tendem a consumir mais frango em comparação com outras carnes, uma tendência que se aplica a todas as regiões do país. No Brasil, cada pessoa consome ao ano, em média, 43 quilos de frango, de acordo com a Embrapa”, cita a campanha.

Anitta explica que a Veganuary Brasil também disponibilizou uma série de receitas, alternativas simples e acessíveis para substituir o frango na alimentação cotidiana, além de recomendações sobre como reduzir e eliminar o consumo de carne de frango e ovos. “Todas essas informações podem ser consultadas gratuitamente no site.”

Outra informação que aponta a larga extensão dessa exploração é que, segundo dados do Foreign Agriculture Service (FAS), dos EUA, o abate global de frangos e galinhas chegará 53 bilhões de animais por ano.

“Esse número deixa de fora os pintinhos machos, que são descartados em granjas logo após o nascimento, assim como as galinhas que deixam de botar ovos, que aos olhos da indústria deixam de ter valor produtivo e também vão para o abate.”

É importante considerar também, conforme a campanha, que a maioria das galinhas, como vítimas do sistema industrial de produção de ovos, vive em condições deploráveis.

“Dentro de um espaço que não excede 25×25 cm para cada ave, onde há pouca ou nenhuma luz solar, e onde o estresse e a superlotação as tornam vulneráveis ​​a muitas doenças, obrigando os produtores a administrarem grandes quantidades de antibióticos.”

Clique aqui para mais informações.

Saiba Mais

Um frango é abatido com 35 a 40 dias de idade, em média. Já uma galinha poedeira geralmente é morta com um ano e meio a dois anos. São animais que poderiam viver por mais de dez anos.

 

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

1 hora ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

21 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

23 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

1 dia ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago