Categorias: Contos e Crônicas

Carne, quando cheiro de bicho é cheiro de antibiótico

Foto: Andrew Skowron

Viu a agulha penetrando a pequena criatura. Crescia e a agulha também. Mais saudável, saudável, não saudável, não importa o estado, tem agulha pra toda vida. Antibiótico, quanto antibiótico.

Mais um pouco e pode-se chamar de mamadeira. Às vezes, em uma reinação sugestiva, chamavam. Lembro quando disse que bicho ganha cheiro que não é de bicho e a repetição e o costume leva à associação com a ideia de que o bicho nasceu com aquele cheiro, que é cheiro de bicho sem ser.

“Cheiro de bicho? Cheiro precede o bicho e sucede o bicho. Bicho vai e o cheiro fica, e continuam pensando no cheiro de bicho que não é de bicho. É tempestivo para um exercício perpétuo de substituição. E já penso no bicho que se foi como se não tivesse ido, porque o cheiro que não é seu, e impregna o não corpo, também impregna o outro e seu não corpo. É estar ali e não estar o tempo todo.”

Ainda que todos partissem, diriam que era o cheiro do bicho que não é de bicho, e de um bicho que já não é bicho. E querem saber o motivo? Menos pra não adoecer e mais pra se desenvolver pra morrer, pode-se perceber.

Em um ambiente controlado, que é descontrolado, apertado numa invenção de desaperto, a picada é ritual para o bolso, dos interesses humanos, do controle da carne que deles se desfará.

Montoeira e agulheira…agulheira e monteira…”, repetia um auxiliar de serviços gerais que levava a sujeira dos não humanos – provocada por humanos – e deixava a dos humanos. Não por conveniência, por não ser capaz de limpá-la. Faltava tangibilidade…

“A sujeira que ninguém vê continua, sempre continua, assim como as doenças irremediáveis que vêm de estados incontroláveis de ser e de estar.” Observou quando chegou mais uma carga de antibióticos.

“Agarram cada um como se culpado fosse de alguma coisa, de estar aqui. A gente ouve grunhidos, gemidos e resistências diversas. Como chamar a provocação da improvidência de prevenção? E vem a remediação que não remedia…que satura de estranhezas uma vida que quando foi vida?”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Debicagem, violência financiada pelo consumo de ovos

Nasce com bico, mas não pode tê-lo, não integralmente, sem mutilação, sem destruição parcial. É…

16 horas ago

E se conhecêssemos a história dos animais que comemos?

Uma pessoa pode olhar para um animal e não vê-lo como alimento, o que também…

2 dias ago

Galinhas não costumam ser vistas como fêmeas

Galinhas não costumam ser vistas como fêmeas, mas como “criaturas que botam ovos”. Se perguntamos…

3 dias ago

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

4 dias ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

5 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

6 dias ago