Alguém lembra do tapete da sala – “é parecido”. Outro de um casaco. Continua quieto, presente e alheio (Foto: Mindy Wildgrube)

Cordeirinho continua amarrado à jabuticabeira. Seus olhos vão onde seus passos não chegam. Crianças chegam e tem carinho no pelo – como travesseiro. Um de cada vez ou todos juntos vêm e vão. Sorrisos e risadinhas. É fofinho, abaixa a cabeça, é o afago que chega. Quase fecha os olhos.

Já miudinhos na confiança, pra frente e pra trás. Igual ontem, serenando na brisa ou sentindo o sol que atravessa a copa. Não muda, ainda não. Uma porção de comida e uma de água. Silencioso, sim, muito. Manso que nem manso. Recebe outra porção de mãos pelo corpo.

Alguém lembra do tapete da sala – “é parecido”. Outro de um casaco. Continua quieto, presente e alheio. Mais crianças chegam – um cercado de mãos trançadas. Fica agitado, se acalma e cochila sobre as patas. Vão embora. Acorda por instante com cheiro de sangue e metal – é Natal.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Debicagem, violência financiada pelo consumo de ovos

Nasce com bico, mas não pode tê-lo, não integralmente, sem mutilação, sem destruição parcial. É…

15 horas ago

E se conhecêssemos a história dos animais que comemos?

Uma pessoa pode olhar para um animal e não vê-lo como alimento, o que também…

2 dias ago

Galinhas não costumam ser vistas como fêmeas

Galinhas não costumam ser vistas como fêmeas, mas como “criaturas que botam ovos”. Se perguntamos…

3 dias ago

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

4 dias ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

5 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

6 dias ago