Categorias: Opinião

Cordeiros estão vivendo cada vez menos

Cordeiros das raças Ile de France, Suffolk, Poll Dorset e Texel são desmamados com no máximo 45 dias e abatidos a partir dos 90 dias (Foto: Pixabay)

A expectativa de vida do cordeiro caiu ainda mais nos últimos dez anos no Brasil. O animal que já era abatido de forma precoce com idade de cinco a seis meses atualmente é morto com três meses.

O que mudou é que hoje o padrão já é criar o animal em um regime mais intensivo, o que significa mais privação e mais condicionamento nutricional visando ampliar o peso do cordeiro em um período muito menor de tempo.

No estado de São Paulo, o que favoreceu esse sistema de produção foi a chamada Tecnologia IZ, desenvolvida na década passada pelo Instituto de Zootecnia de São Paulo, vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

Condicionado a ganhar 300 gramas por dia

Afastado de sua mãe, o cordeiro criado para abate superprecoce é confinado e condicionado a ganhar até 300 gramas de peso por dia. A dieta é mantida até o filhote de carneiro chegar a pelo menos 30 quilos. Nesse sistema, cordeiros das raças Ile de France, Suffolk, Poll Dorset e Texel são desmamados com no máximo 45 dias e abatidos a partir dos 90 dias.

Após um período de jejum de 16 a 24 horas, o abate é feito com uma pistola pneumática. O cordeiro é imobilizado e então é acionado um dispositivo que atinge o seu cérebro como uma agulha grossa, o deixando atordoado.

Assim que cai, é pendurado sobre grilhões pelas patas traseiras e degolado. O sangue desse filhote de poucos meses, que se debate durante o abate, é usado na culinária. Depois de sangrado, esfolado, eviscerado, decapitado, além de ter suas patas e glândulas mamárias removidas, extrai-se os rins.

Do rabo, são mantidas poucas vértebras

Do rabo, são mantidas poucas vértebras. Suas partes não comestíveis são descartadas no lixo, como se não houvessem razão para existir. Então o cordeiro é refrigerado até esfriar, quando se inicia o processo de corte.

Morto ainda muito jovem, ele poderia chegar a 15 e até 20 anos caso não fosse reduzido a produto. Depois de esquartejado, seus pedaços são vendidos no atacado e no varejo – os mais procurados são o lombo, pernil, costela, picanha, peito, ombro e braço. Essas são as partes que as pessoas mais gostam de consumir e que são provenientes de uma criança de outra espécie.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

3 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

3 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

3 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

3 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

4 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

4 semanas ago