Notícias

Nilto Tatto diz que manter pássaros em gaiolas é uma forma de violência

“Há muitas formas melhores para conviver com a fauna do que aprisioná-la” (Fotos: Câmara/Pixabay)

Na semana passada, o deputado Nilto Tatto (PT-SP) disse que manter pássaros em gaiolas é uma forma de violência, já que impede a livre movimentação do animal. Por isso, ele protocolou o Projeto de Lei 1487/2019, que defende a proibição da criação de pássaros em gaiolas e viveiros.

“Há muitas formas melhores para conviver com a fauna do que aprisioná-la, e a posse desses animais não pode ser mais importante que a satisfação de ver pássaros livres em nossas janelas”, declarou, conforme informações divulgadas pela Agência Câmara.

O PL de Tatto ainda deve ser avaliado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

“O projeto procura avançar mais um passo no sentido do respeito aos animais e também do combate ao tráfico de fauna. Assim como a caça não se justifica mais, pássaros engaiolados também não fazem mais sentido nos dias modernos.”

Joaquim Passarinho e Nelson Barbudo

A proposta já foi avaliada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, e recebeu um substituto do deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA), que defende a captura de passeriformes de qualquer espécie, nativa ou exótica, silvestre ou doméstica, para “prática de conservação”, “atividades de resgate e salvamento” e “formação de novos plantéis por criadores autorizados”.

Ou seja, isso significa um endosso à criação de pássaros com fins comerciais, o que é o oposto do defendido na proposta original. O que não ajuda também no avanço do PL é que o atual relator na Comissão de Meio Ambiente é o deputado Nelson Barbudo (PSL-MT), conhecido por defender práticas voltadas à exploração animal.

É como se para a relatoria do PL 1487/2019, que já foi descaracterizado na primeira comissão, tivessem sido escolhidos deputados que jamais permitiriam que a proposta avançasse na Câmara.

Clique aqui para saber mais sobre o projeto de lei.

Clique aqui para opinar sobre o projeto de lei.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

12 horas ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

1 dia ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

2 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

2 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

2 dias ago

Há uma forma certa de matar quem não quer morrer?

Imagine que matemos animais para consumo sem impor-lhes qualquer dor, que há um meio de…

3 dias ago