É todo dia a mesma coisa. “E por que não seria? É o consumo que determina” (Foto: Linas Korta)

Matadouro é lugar estranho. Animais chegam saudáveis, na coletividade, e tomam banho pra morrer – diferença de alguns minutos ou horas, depende do movimento, funcionamento, estado. É pra comer. Sem saber ou talvez não – até (in)determinada hora ou ponto. Acho que vai perceber. “Será?” Por que matar pra comer? “Porque sim!”

Estrutura com tantos instrumentos, paredes claras e escurecidas, funcionários uniformizados e identificados, plataformas, luzes que oscilam de um ambiente para outro – cenário criado para obliterar, matar – sem reprovar.

Favorece aceitação profissional mesmo diante de mugidos, gemidos e resistência, que passam despercebidos. Há pouco estranhamento por causa da repetição. É todo dia a mesma coisa. “E por que não seria? É o consumo que determina.”

Maldade não é vista como maldade – força da continuidade, legitimidade. É o olho estranho da sociedade. Apetite faz caminhão encostar toda hora na área de recepção. Bichos que descem nunca mais sobem.

Expressão da chegada vai mudando na entrada, e mais ainda na profundidade da experiência que não se repete. A maioria não entra mais de uma vez e tudo que vê é novidade – cada passagem e cada encontro, com pessoas, com coisas, com a morte.

Emoções e sentimentos, quem já quantificou? Diferenciou? “Por quê?” “Pra quê?” Tem gente para controlar reação. Função de enganação? Já ouvi algo do tipo. Mansidão desses animais mostra por que o ser humano, na malícia da conveniência, os domesticou e subjugou.

Matadouro é lugar estranho. Pernas que poderiam percorrer o campo são destinadas à inutilidade. “Acho que não. E o garrão?” Os últimos passos são dentro de uma caixa, onde as pernas vão se dobrando, desconectando-se de si, até ser dominado pela incapacidade em resistir.

Hoje seria preciso encontrar uma palavra mais forte do que malícia? Talvez não seja necessário. Deixe pra lá, acho que basta olhar querendo observar.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

4 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

4 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

4 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

4 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

4 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

4 semanas ago