Categorias: Contos e Crônicas

Uma ave morta a caminho do abate

O animal estava molhado e tinha olhar baixo, do tipo que alcança todos os lados e também nenhum (Foto: Aitor Garmendia)

Durante o engarrafamento um caminhão parou ao lado. Transportava aves amontoadas que logo seriam abatidas. Não era a primeira vez que via um veículo como aquele no mesmo lugar, e suspeitou até que pudesse ser o mesmo. Mas isso não importava para ele.

O que chamou atenção foi um animal que perdeu a vida diante dos seus olhos com a cabeça atravessada entre as grades. Estava molhado e tinha olhar baixo, do tipo que alcança todos os lados e também nenhum. “Que expressão estranha de agonia e exaustão.”

Ou talvez não seja estranha e tenha acreditado que sim por causa de uma viciada, condicionada percepção da realidade. Também estranhou os olhos já esbranquiçados que pareciam ainda mirá-lo, mesmo que fossem de ave já morta. Era mais uma criatura derrotada pelo apetite da humanidade.

“Se eu estivesse um pouco mais atrás ou do outro lado da avenida ou pendurado em árvore, quem sabe ainda seria como se me observasse.” Não ter vida, significa não ver, mas nós os vemos, ou pelo menos seus corpos, e interpretamos o que podemos ou o que nosso estado de consciência, crença ou (des)conhecimento permite.

Seu olhar não humano era um olhar sem ser, mas o que não é também tem seu peso, e pode ser mais impactante do que o ser – depende do que isso nos causa ou incita. Ainda pensava na motivação do animal. “Queria ver alguma coisa? Algo chamou sua atenção? Estava muito apertado? Queria fugir? Queria morrer? Isso não, aves não cometem suicídio.”

Quando o caminhão partiu, a cabeça continuou exposta, não se movia com o vento. Imaginou as penas se movendo e uma porção caiu no asfalto. Ainda via o animal sem vida o observando – era como se nunca tivesse partido. “Como seria se estivesse com vida?” Ainda assim, pouco viveria. “Será que os outros morrerão em quanto tempo?”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

A dor de ser bacon

Quando chegou em casa para o almoço, encontrou um porco na cozinha. Corpulento, ia de…

30 minutos ago

Queda na criação de aves estimula grupo avícola a investir em proteínas vegetais

A Louis Dreyfus Company (LDC), maior grupo avícola da França, anunciou este mês que estima…

21 horas ago

Aveda é reconhecida como marca livre de crueldade animal pela CFI

De acordo com informações da organização Cruelty Free International (CFI), a fabricante de cosméticos Aveda…

22 horas ago

PL que cria regime jurídico especial para os animais aguarda votação

O PL 6045/2019, dos deputados federais Ricardo Izar (Republicanos-SP) e Weliton Prado (Pros-MG), que propõe…

22 horas ago

Por que nunca mais comeu frango

Colocou um frango resfriado na cesta e sentiu líquido viscoso. Fez cara de nojo. Trocou…

1 dia ago

Serena Williams e Jake Gyllenhaal trocam ovo de galinha por ovo vegetal

A tenista Serena Williams e o ator Jake Gyllenhaal estão incentivando o consumo do ovo…

2 dias ago