Cem anos depois, antas estão retornando às florestas do RJ

No último dia 8 de agosto, mais um casal da espécie foi solto na Reserva Ecológica de Guapiaçu, em Cachoeiras de Macacu (Regua), região metropolitana do Rio de Janeiro

Projeto vai pesquisar a capacidade de dispersão de sementes e ecologia espacial feita pelas antas (Foto: UFRRJ)

O Laboratório de Estudos e Conservação de Florestas (Lecf) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), em parceria com o Laboratório de Ecologia e Conservação de Populações (Lecp) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Laboratório de Ecologia e Manejo de Animais Silvestres (Lemas) do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), com apoio da prefeitura do Rio de Janeiro, estão conduzindo um projeto de reintrodução de animais à natureza batizado de Refauna.

Extintos nas florestas do Rio de Janeiro há mais de 100 anos, os Tapirus terrestris, também chamados de antas, começaram a voltar à natureza graças a esse projeto. No último dia 8 de agosto, mais um casal da espécie foi solto na Reserva Ecológica de Guapiaçu, em Cachoeiras de Macacu (Regua), região metropolitana do Rio de Janeiro.

Os animais soltos são equipados com um colar com GPS e rádio transmissor, brinco de identificação e microchip embaixo da pele, para que sejam monitorados. A partir dessa reintrodução, o projeto vai pesquisar a capacidade de dispersão de sementes e ecologia espacial feita pelas antas, com a expectativa de que elas dispersem para o Parque Estadual dos Três Picos e outras áreas florestadas na região.

Para saber mais sobre o projeto, leia a reportagem do Jornal Metro, clique aqui. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here