Ativistas protestam em frente ao Consulado do Japão contra captura e matança de golfinhos

Temporada de caça aos golfinhos em Taiji começou este mês e vai até 31 de março

Os manifestantes pediam para que todos, incluindo os japoneses, “digam não aos parques aquáticos, à indústria do entretenimento com animais em cativeiro e não à escravidão de seres sencientes” (Fotos: Sea Shepherd Brasil/Getty)

Na semana passada, ativistas protestaram na Avenida Paulista, em frente ao Consulado do Japão em São Paulo (SP), contra a captura e caça de golfinhos no país asiático, onde a prática é regulamentada e permitida do dia 1º deste mês de setembro até 31 de março.

Os manifestantes pediam para que todos, incluindo os japoneses, “digam não aos parques aquáticos, à indústria do entretenimento com animais em cativeiro e não à escravidão de seres sencientes”.

No Japão, a temporada de captura e matança de golfinhos também é conhecida por privar animais de seu habitat para vendê-los para parques aquáticos ou outros espaços de entretenimento com animais marinhos. “A baía de Taiji [na costa do Pacífico] é o marco zero da escravidão para shows em parques aquáticos”, criticou a Sea Shephed Brasil.

Em fevereiro, a organização japonesa NGO Life Investigation Agency e a Action for Dolphins, da Inglaterra, ajuizaram uma ação depois de apresentarem evidências de que os caçadores estão rotineiramente violando as leis de bem-estar animal e ultrapassando o limite de cotas de caça aos golfinhos estabelecido pelo governo. No entanto, o Japão ainda continua permitindo a caça.

As duas organizações defendem que há informações consistentes no processo para suspender a caçada anual de golfinhos em Taiji. O processo traz provas que deixam claro que os golfinhos são mamíferos, logo a crueldade imposta a eles é ilegal, já que contraria a legislação japonesa de proteção aos mamíferos, de acordo com a diretora-executiva da Action for Dolphins, Sarah Lucas.

A ação também aponta abuso de poder do governador da província de Wakayama, Yoshinobu Nisaka, que supostamente extrapolou a cota de permissões para pescadores, também violando as leis de bem-estar animal do Japão.

“As caçadas aos golfinhos são incrivelmente cruéis, com animais mortos usando métodos rudimentares, incluindo arpões, facas, facões, redes, lanças e até dinamite. A morte não vem rapidamente ou sem dor”, informa Nicola Hodgins, da organização Whale and Dolphins Conservation (WDC), do Reino Unido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here