Brasil pode ganhar lei que classifica desastre ecológico como ecocídio

Projeto prevê pena de até 20 anos de prisão e multa de até um bilhão de reais

A criação do PL 2787/19 é uma sugestão da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanhou o caso de Brumadinho (Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo)

Na quarta-feira (12) vai ser discutido no Plenário da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei (PL) 2787/19, de autoria coletiva, que defende a tipificação do ato de provocar desastres ecológicos como ecocídio.

A ideia é criar um tipo penal específico para acabar com a impunidade em casos de rompimento de barragens e em outras situações de grande impacto ambiental que decorrem diretamente da ação humana.

O projeto defende que ações que resultem na destruição significativa da flora, mortandade de animais ou estado de calamidade pública, devem gerar pena de quatro a 20 anos de prisão.

Além disso, prevê multa que pode variar de dois mil reais a um bilhão de reais, indo muito além do teto atual que é de 50 milhões de reais. Sobre casos de rompimentos de barragens, a matéria do PL destaca o seguinte:

“Em primeiro lugar, cria um tipo penal específico para aquele que der causa a rompimento de barragem pela inobservância das normas técnicas aplicáveis ou das determinações da autoridade licenciadora e da entidade fiscalizadora da segurança de barragem, com modalidades dolosa e culposa.”

A justificativa para a criação do projeto de lei foram os trágicos acontecimentos em Mariana (MG), no final de 2015, e de Brumadinho (MG), no início deste ano, que expuseram de forma clara a fragilidade da legislação penal em relação ao tema.

Ainda que haja uma tentativa de atribuir responsabilidades nesses casos, a legislação brasileira permite hoje questionamentos jurídicos e protelação de processos – o que impede a possibilidade de se aproximar de uma resolução que possa ser classificada como justiça.

Em caso de rompimento de barragens, ocultação de informações também passa a ser crime. A criação do PL 2787/19 é uma sugestão da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanhou o caso de Brumadinho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here