Artes Visuais

Chinesa cria ilustrações para estimular compaixão pelos animais

Ela acredita que a compaixão existe em cada um de nós e torce para que sua arte seja capaz de ajudar as pessoas a fazerem uma conexão que permita o reconhecimento da importância de não causarmos mal aos animais (Ilustrações: Samantha Fung)

De Hong Kong, a artista chinesa Samantha Fung tem utilizado suas ilustrações para estimular um novo olhar para animais reduzidos a alimentos e outros produtos.

Ela acredita que a compaixão existe em cada um de nós e torce para que sua arte seja capaz de ajudar as pessoas a fazerem uma conexão, assim permitindo o reconhecimento da importância de não causarmos mal a outras criaturas sencientes apenas porque queremos.

Não é difícil perceber sua intenção observando suas ilustrações que retratam a realidade dos animais que subjugamos e comemos, assim como suas expressões e emoções em um contexto cotidiano de exploração que visa satisfazer o paladar humano.

Em uma de suas obras, Samantha mostra que um hambúrguer não é apenas um hambúrguer, mas comodidades de consumo amparadas pela supressão de vidas de animais que, depois de enfrentarem a realidade do matadouro e a descaracterização sob o processo industrial, se tornam uma massa compacta de prazeres sustentados pela violência.

Em outra ilustração, a artista vegana retrata o reflexo nos olhos de um porco que aguarda a vez antes de ser sangrado até a morte para que possamos consumir bacon e outros cortes extraídos de seu corpo após sua morte.

Ou seja, há uma constante evidência de que o terror ao qual esses animais são submetidos há de persistir enquanto não mudarmos nossos hábitos e optarmos por alimentos livres da crueldade do abate.

Samantha Fung também expõe em uma de suas obras a barbárie normalizada na suinocultura, segmento da pecuária em que castração, corte de cauda e de dentes sem anestesia são práticas comuns em benefício da indústria da carne. Inclusive neste momento muitos pequenos e jovens porquinhos são submetidos a tal violência em várias partes do mundo.

A artista aborda ainda a benevolência e sensibilidade animal a partir de ilustrações em que suínos e galináceos são tratados com estima e carinho por seres humanos.

Ou seja, em vez de submetidos a uma vida de exploração até o momento em que chegarão aos nossos pratos, eles são incluídos em nosso círculo moral de consideração, assim permitindo que sejam quem são, livres da violência e com liberdade para expressarem suas emoções e sentimentos, além de tratados com respeito.

Acompanhe o trabalho de Samantha Fung:

Facebook

Instagram

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

40 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago