Categorias: Contos e Crônicas

Como agonizam os peixes

Foto: Selene Magnolia

Olhou um peixe numa fina faixa de areia onde a água mal encostava. “Que faz aqui e não lá?” Desejou que não sucumbisse à asfixia, que seus olhos não dilatassem, que se debatesse e não partisse de um estado corpóreo – que mergulhasse fundo. “É cedo, tão cedo…”

Demorou a perceber que não era a vontade do peixe que o trazia. Correu e o empurrou de volta. Continuou voltando, pelas mãos invisíveis dos homens. “Onde estão que não vejo? Será que estão só fora de mim ou também em mim e por isso não reconheço nem vejo?”

Levantou de novo e empurrou o peixe outra vez para a água. Não funcionou. Já estava fora d’água quando recomeçou a morrer. Não viu desespero, e foi pior do que se visse, despertando aflição, agonia.

O pegou nos braços e correu, afastando-se da margem, mantendo-o numa espécie de suporte, que abriu-se para a liberdade. Então o peixe desapareceu. “Agora sim…que vá embora…”

Sentiu-se aliviado e retornou à margem, onde o peixe já estava, tremelicando numa faixa. “Que posso fazer se não para de morrer?” Fechou os olhos por segundos e abriu. Viu emaranhado de linhas ao redor do animal.

“Não é o mesmo que vejo ao mesmo tempo que é.” Correu até ele e livrou-se das linhas. “Agora vá…para longe das arrioscas.” O peixe nem se mexeu, e as linhas o envolveram. “Não havia vida desde o começo e como demorei para ver…sempre te dizendo o que fazer.”

Fechou os olhos outra vez e quando abriu não viu peixe. Foi levado, assim como tantos outros derramados a contragosto que enche-nos duma quimera de gosto.

“Restam as marcas que desaparecem e surgem o tempo todo. Quem celebra o exercício involuntário da água de apagá-las?” Olhou para a água, esperando ver o mesmo peixe partir para longe, dando-lhe esperança. “Talvez partisse, se realmente permitisse. E quem permite?”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

19 horas ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

2 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

3 dias ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

4 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

4 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

4 dias ago