Categorias: Notícias

Segundo estudo, consumo de carne precisa ser reduzido em 75%

No estudo, os pesquisadores Matin Qaim e Martin C. Parlasca frisam que cada pedaço de carne consumido tem um preço que não é pago no caixa – o custo ambiental desse hábito (Imagem: Grazing the Amazon)

De acordo com um estudo da Universidade de Bonn publicado em abril no Annual Review of Resource Economics e na Science Daily, pelo bem do planeta, o consumo de carne precisa ser reduzido com urgência. Nos países mais ricos, em pelo menos 75%.

No estudo, os pesquisadores Matin Qaim e Martin C. Parlasca frisam que cada pedaço de carne tem um preço que não é pago no caixa – o custo ambiental desse hábito.

“Os ruminantes, por exemplo, produzem metano, que acelera o aquecimento global. Os animais também convertem apenas uma parte das calorias que recebem em carne. Para alimentar o mesmo número de pessoas, a carne demanda, portanto, uma área de terra muito maior” – é destacado no release da pesquisa.

“Isso prejudica os ecossistemas, pois sobra menos espaço para a conservação das espécies naturais. Além disso, aqueles que comem muita carne correm sérios riscos – porque carne em excesso não é saudável e pode promover doenças crônicas.”

Segundo o professor Dr. Matin Qaim, do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento, da Universidade de Bonn, na Alemanha, é preciso reduzir o consumo anual de carne para menos de 20 quilos. No Brasil, mesmo com a crise, o consumo médio de carne bovina em 2021 foi de 26,5 quilos por pessoa, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

“Atualmente, cerca de 50% de todos os grãos produzidos em todo o mundo são usados ​​como ração animal”, acrescenta Qaim. Ele sustenta que o problema não é tão grave nos países mais pobres, onde o consumo de carne não é comum como nas nações industrializadas. Por isso, ele atribui a responsabilidade principalmente aos países mais ricos, que são grandes consumidores.

Matin Qaim e Martin Parlasca também pedem que o tema “consumo sustentável” seja cada vez mais integrado aos currículos escolares e à formação de futuros professores.

“Precisamos nos tornar mais sensíveis ao impacto global de nossas decisões”, enfatiza Qaim. “Isso é verdade não apenas com a comida, mas também com a camisa que compramos na loja de descontos para usar uma única noite em uma festa.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

18 horas ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

2 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

3 dias ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

4 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

4 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

4 dias ago