Categorias: NotíciasPolítica

Gineteada pode ser elevada a esporte

Para Nereu Crispim, os praticantes da gineteada são “atletas” (Fotos: Pixabay/Michel Jesus/Câmara)

A gineteada, prática em que alguém fica o maior tempo possível no “lombo de um animal considerado xucro ou que tenha sido mal domado”, pode ser elevada a esporte e patrimônio cultural imaterial do Brasil.

A proposta do deputado federal Nereu Crispim (PSD-RS) deve ser avaliada por três comissões da Câmara – Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Cultura e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

O PL 2335/2021 será analisado e votado em caráter conclusivo, o que significa que, se aprovado pela maioria dos membros das comissões, dependerá apenas da sanção do presidente para vigorar como lei, sem a necessidade de submetê-lo à votação no plenário da Câmara.

A justificativa para que a gineteada seja elevada a esporte, segundo Crispim, é que “é preciso contar com técnicas, ter bastante força nas pernas e muita concentração para garantir o equilíbrio no lombo do cavalo”.

Para o deputado, os praticantes da gineteada são “atletas”, embora a prática seja realizada sem o consentimento ou participação voluntária do animal. “Hoje em dia, os ginetes são atletas, treinados, os quais competem em alto nível”, alega.

Nereu Crispim defende alteração na Lei 13.364/2016 que, segundo ele, deve contar com a seguinte redação:

“Reconhece o rodeio, a vaquejada, a gineteada em bovinos e equinos, o laço, bem como as respectivas expressões artísticas e esportivas, como manifestações culturais nacionais; eleva essas atividades à condição de bens de natureza imaterial integrantes do patrimônio cultural brasileiro; e dispõe sobre as modalidades esportivas equestres tradicionais e sobre a proteção ao bem-estar animal.”

Sobre a elevação da gineteada a patrimônio cultural imaterial, o deputado sustenta que a prática “é a demonstração da lida da doma gaúcha junto com a habilidade do peão campeiro”. E continua: “Antigamente, a gineteada era praticada por vaqueiros e peões de estância, os quais se reuniam em um parador de rodeio, para cultuar a tradição brasileira.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

13 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago