Política

Mais um deputado defende que agressores paguem por tratamento de animais

PL também obriga agressor a participar de um curso para mudar sua percepção sobre os animais (Foto: Pixabay)

Este mês, o deputado federal Pedro Lucas Fernandes (PTB-MA) apresentou um projeto de lei que determina que o resgate e tratamento de animais vítimas de maus-tratos e violência devem ser custeados pelos infratores.

O Projeto de Lei 2219/2021 também determina que quem praticar “ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”, será obrigado a participar de um curso para mudar sua percepção sobre os animais.

“É fundamental que, nos casos em que for possível identificar o agressor, este seja obrigado a custear as despesas com o resgate e o tratamento dos animais maltratados. Cremos que é importante também que o infrator seja obrigado a participar de cursos de capacitação sobre dignidade e proteção dos animais”, diz Fernandes.

“A defesa dos direitos dos animais está intimamente relacionada à luta pelos direitos humanos, pela conservação do planeta, pela erradicação da pobreza, pela liberdade, pela vida, enfim, em todas as suas formas e possibilidades. O grau de proteção conferido aos animais traduz e reflete o nível de desenvolvimento civilizatório de uma nação e contribui de forma decisiva para a ampliação e consolidação desse desenvolvimento.”

PL de Célio Studart

Vale lembrar que em 2020 o deputado Célio Studart (PV-CE) apresentou um projeto de lei que também exige que o infrator pague pelas despesas com resgate e tratamento de animais vítimas de maus-tratos e violência.

“Denúncias de maus-tratos contra animais são cada vez mais comuns nas redes sociais e, em razão disso, pessoas e organizações ligadas à causa animal têm solicitado punições duras contra esses agressores”, diz Studart, autor do PL 4993/2020.

Os dois projetos de lei são uma reação ao fato de que no Brasil é comum em caso de violência contra animais o autor não se preocupar em reparar o mal causado, assim as despesas com o tratamento e resgate acabam sendo custeadas por ONGs, santuários, abrigos, protetores e veterinários voluntários.

“E que diariamente salvam milhares de vidas com resgate e acolhimento de animais por todo o país”, frisa Célio Studart.

Clique aqui para opinar sobre o projeto de lei de Pedro Lucas Fernandes.

Clique aqui para opinar sobre o projeto de lei de Célio Studart.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

11 horas ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

1 dia ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

2 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

2 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

2 dias ago

Há uma forma certa de matar quem não quer morrer?

Imagine que matemos animais para consumo sem impor-lhes qualquer dor, que há um meio de…

3 dias ago