Opinião

Não é justo se alimentar de animais

Onde há vidas enxergamos apenas produtos ou bens móveis – que é o caso de animais reduzidos a pedaços de carne, fontes de ovos, leite, etc (Foto: BWA)

Se você perguntar a dez pessoas por que elas se alimentam de animais, a resposta mais comum pode ser “porque sim”; que traz uma significação óbvia. Ou seja, por não questionarmos nossos hábitos, assim como faziam muitas outras gerações, acreditamos que não temos razão para fazer mais do que reafirmar o que se tornou prática comum. “Afinal, por que mudar algo que ‘funcionou’ até agora?”, diriam.

Há uma crença fatalista de que “as coisas são como devem ser”. Mas isso realmente faz sentido e é justo? Sim e não. Sim porque práticas consideradas tradicionais (ainda que prejudiciais) nos afastam de um olhar mais abrangente, ou mesmo de um outro olhar, sobre a realidade; porque sua legitimação já está entranhada no cerne da nossa própria condição histórico-cultural.

Uma limitação confortável

E não “porque sim” revela uma limitação confortável que perpassa pela conclusão de que “se não vejo meus hábitos como nocivos a mim mesmo, não tenho razão para mudá-los”. Podemos interpretar isso como um senso condicionado e/ou egocentrado da realidade, em que avaliamos consequências pesando apenas a implicação de algo para nós mesmos – como se houvesse um círculo de consideração moral em que excluímos os outros e ainda nos negamos a enxergá-los como prejudicados por nossas escolhas e decisões.

Infelizmente, se alimentar de animais se aplica a essa ausência de ponderação comumente reforçada pelo “porque sim” e sua tradicional anuência. Isso ocorre com facilidade quando onde há vidas enxergamos apenas produtos ou bens móveis – que é o caso de animais reduzidos a pedaços de carne, fontes de ovos, leite, etc. No entanto o “porque sim” também pode revelar fragilidade argumentativa que permita ao outro uma reavaliação sobre suas relações de consumo.

Mas isso é algo que pode ser explorado positivamente. Quero dizer, quando uma pessoa é confrontada pelo esvaziamento de argumentos em relação à redução dos animais a produtos ou meios para um fim, ainda que ela não concorde com você, e reforce isso de forma visceral, se suas palavras forem opostas, mas contundentes e justas (do contrário, perde-se oportunidades), há chances de que o outro se veja obrigado a conviver com elas por tempo variável – e isso é um propiciador de mudanças. Se isso não acontecer com alguém, isso não significa que não vá acontecer com outros.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Rejeitado por Kataguiri, PL que propõe alternativa à tração animal será avaliado por outro relator

Depois de ser rejeitado pelo deputado e relator Kim Kataguiri (União-SP) na Comissão de Trabalho,…

6 minutos ago

A dor de ser bacon

Quando chegou em casa para o almoço, encontrou um porco na cozinha. Corpulento, ia de…

2 horas ago

Queda na criação de aves estimula grupo avícola a investir em proteínas vegetais

A Louis Dreyfus Company (LDC), maior grupo avícola da França, anunciou este mês que estima…

22 horas ago

Aveda é reconhecida como marca livre de crueldade animal pela CFI

De acordo com informações da organização Cruelty Free International (CFI), a fabricante de cosméticos Aveda…

23 horas ago

PL que cria regime jurídico especial para os animais aguarda votação

O PL 6045/2019, dos deputados federais Ricardo Izar (Republicanos-SP) e Weliton Prado (Pros-MG), que propõe…

24 horas ago

Por que nunca mais comeu frango

Colocou um frango resfriado na cesta e sentiu líquido viscoso. Fez cara de nojo. Trocou…

1 dia ago