Categorias: Contos e Crônicas

Quantos corpos colocamos em nossos corpos?

Ilustração: Jo Frederiks

Ficou parado na ponta do balcão do açougue. Enquanto clientes eram atendidos, seus olhos passeavam pela vitrine bem iluminada.

“O que é a carne?”, questionou-se. “O que não é para a vida é para a morte? Que semostradeira visceralidade…ou iniquidade.”

Observou a diversidade de formas – geométricas, irregulares, grossas, finas e cores indefinidas. “Disso, todos somos feitos, ainda que não estejamos ali, que tenhamos subtrações, adições e acentuações em relação aos outros, por nossas semelhanças e dissemelhanças físicas.”

Viu bifes em camadas e imaginou a própria carne cortada e exposta. Não ateve-se ao barbarismo ou violência. Não pensou em matadouro, corpos pendurados, degolados – somente um corpo cortado e vivo, com partes faltosas de sua carne.

“O que diria? Se estivesse diante da ausência parcial de minha matéria. Sofreria e já não viveria? Provavelmente, se assim ficasse. Não é nisso que penso agora, e sim numa falta de mim mesmo, que neste momento é falta do que não sou.”

Olhou para um lado, para o outro, viu pessoas chegando e saindo com sacolas, onde o volume de carnes que não eram suas oscilava. Corpos que transportam corpos. Bistecas, costelas, pernis, coxas, fígados, medalhões, corações… – tempo no açougue é miríade de dilacerações.

“Quantos corpos colocamos em nossos corpos? De uma intimidade para outra intimidade – da violação primeira para nossos espaços que não vemos, mas sentimos. E não sentiram eles antes para que sentíssemos depois? Sim, não é um mesmo sentir, porque um vem com o fim.”

Considerou a sequência de fins que ingerimos, já que tantos acabam dentro de nós – ingerir, digerir e repetir. “Quem reflete sobre o acumular e desacumular que vêm e vão? Nosso corpo é espaço derradeiro, processo contínuo de sepultamento, sem honras, sem reconhecimento. O que é nosso suco gástrico? Agente de cremação em estado de sobre-esforço?”

Passou uma das mãos pelo corpo coberto pela camisa e sentiu a pele morna. “Aqui dentro encerra-se mais uma etapa dum processo de despersonalização do que não somos nós, mas que influi no que somos. E o que somos sobre o que em relação aos outros espoliamos?”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago