Boi manso olha direto nos olhos. É olhar meio baixo, não se agiganta (Fotos: Abatedouros AT/iStock)

Boi manso olha direto nos olhos. É olhar meio baixo, não se agiganta. Dentro da caixa, fica quase estático, movendo a cabeça devagarinho, sem muita curiosidade, com a orelha na altura dos olhos ou abaixo deles.

Dali pra frente é finura, como se a cabeça alongasse. Narinas largas e úmidas percebem cheiro diferente e o ritmo da respiração muda. Pescoço já está preso. Faz pensar em quantos humanos foram executados com parte do corpo imóvel. Hoje a maioria reconhece como barbárie, inaceitável.

Não em relação aos animais. Industrialização aperfeiçoou e velou o caráter brutal e destrutivo do abate. Morte em série, 756 por hora, mecânica, cronograma, percepção temporal – tudo isso ajuda na crença de que não é algo bonito, porém escusável para muita gente. “É só o sistema alimentar.”

Se entre sessões de violência, o ambiente for bem limpo, alguém até arrisca dizer que um matadouro parece um hospital. Enquanto isso, o boi, entre concreto e metal, mantém os olhos abertos. Não tenta tirar o pescoço dali. Nem conseguiria.

Continua mirando a mão que se aproxima. Não faz barulho. Falta menos de minuto. Nem pisca. Tem olhar de criança cansada. Redemoinho no topo da cabeça desaparece com um disparo. Não funciona. Mais um. Olhar se desfaz. É hora de preparar o próximo, porque  quem vê carne não vê vida.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Rejeitado por Kataguiri, PL que propõe alternativa à tração animal será avaliado por outro relator

Depois de ser rejeitado pelo deputado e relator Kim Kataguiri (União-SP) na Comissão de Trabalho,…

12 minutos ago

A dor de ser bacon

Quando chegou em casa para o almoço, encontrou um porco na cozinha. Corpulento, ia de…

2 horas ago

Queda na criação de aves estimula grupo avícola a investir em proteínas vegetais

A Louis Dreyfus Company (LDC), maior grupo avícola da França, anunciou este mês que estima…

22 horas ago

Aveda é reconhecida como marca livre de crueldade animal pela CFI

De acordo com informações da organização Cruelty Free International (CFI), a fabricante de cosméticos Aveda…

23 horas ago

PL que cria regime jurídico especial para os animais aguarda votação

O PL 6045/2019, dos deputados federais Ricardo Izar (Republicanos-SP) e Weliton Prado (Pros-MG), que propõe…

24 horas ago

Por que nunca mais comeu frango

Colocou um frango resfriado na cesta e sentiu líquido viscoso. Fez cara de nojo. Trocou…

1 dia ago