Um animal sem nome sem espécie

Mais do que isso aos olhos do homem – carnoso, delicioso. A fome emana o que a gana encana

Pinturas: Corine Perier

Há um animal, sem nome sem espécie. Único em seu gênero, repousa ao lado da macieira. Um homem assiste. Parece boi? Porco também não. Frango, galinha? Menos ainda. É bonito, espadaúdo. Mais do que isso aos olhos do homem – carnoso, delicioso. A fome emana o que a gana encana.

Lindas e robustas maçãs caem entre as pernas do sujeito. Não! “Quero ele”, balbucia roçando a ponta da língua no lábio superior. Desembainha a faca espigada e caminha até o animal que não corre – nem se move na inocência vituperada pela inexperiência.

O homem o abraça. Vra! Vra! Vra! Maçãs rolam ao seu encontro. Maçãs do amor, “caramelizadas” pelo sangue morno, basto. Brilham. O homem comemora diante do moribundo que não chora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here