Entre as ramagens, um filhote de onça-pintada ameaçava se aproximar (Foto: Getty)

Um homem encontrou um caçador acompanhado do filho na mata. Arrastavam com dificuldade o cadáver de uma onça-pintada. Querem ajuda? Sim, por gentileza. Depois de percorrerem mais de um quilômetro, pararam ao lado da caminhonete. O caçador pediu que o homem fotografasse ele e o filho com a onça inanimada.

Não posso fazer isso. Por quê? Pelo mesmo motivo que esse animal jamais exibiria o seu filho aos dele como se fosse um troféu. Você é louco? Isso é uma onça, não uma pessoa.
O senhor tem razão. É justamente por não ser uma pessoa que ela não faria isso. Não goza dessa estranha capacidade.

A propósito, por que mataram esse animal e o que farão com ele? Matamos porque é matreira. Já nos avisaram que ela tem invadido chácaras, sítios e fazendas da região. Quem disse ao senhor? Um sujeito que mora naquele sítio a leste. Isso é intrigante.

Por quê? Porque é lá que eu moro. O que pretende fazer com a onça? Curtir o couro, fazer um tapete, um churrasco. Dizem que carne de onça tem gosto de lombo de porco. Vamos experimentar. O senhor tem comida em casa?

Sim…Fartura? Sim…Então por que comer a carne desse animal? O senhor já viu outro ser vivo arrancar o couro de alguém para servir apenas para limpar-lhe os pés? Então farei um casaco. Imagino que o senhor tenha blusas e jaquetas em casa…

Farei um cobertor. O senhor tem passado frio? Não…Imagino. Amigo, farei o que eu quiser. Não me interessa sua opinião. Só aceitei ajuda para carregá-la. Tudo bem. Mas o que o senhor ensina ao seu filho fazendo isso?

Ensino que é importante estar preparado pra tudo. Humm…E o senhor pensa em viver em uma área de mata fechada? Não…Então em qual circunstância seu filho teria que matar um animal desses? Não interessa. O que você aprendeu com seu pai hoje?

O menino ficou em silêncio. Chega dessa conversa. Vá cuidar de sua vida. Tudo bem, senhor. Entre as ramagens, um filhote de onça-pintada ameaçava se aproximar. O senhor tem uma dívida. Se um dia aquele filhote lhe cobrar, o senhor não poderá reclamar. O caçador riu, mas deixou a onça e partiu.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O garoto que acompanhou frangos enviados para o abate

Tião transportava aves para abatedouros menores - frangos abaixo do peso médio e galinhas descartadas…

7 horas ago

Pesquisa estima crescimento de mais de 100% do mercado de alimentos veganos

De acordo com uma pesquisa da Allied Market Research, o mercado de alimentos veganos crescerá…

8 horas ago

Grupos da USP e Universidade de Lisboa realizam colóquio sobre perspectivas indígenas e descolonização dos animais

Na sexta-feira (3), das 10h às 12h30, os grupos Praxis, da Universidade de Lisboa, e…

10 horas ago

PL que torna obrigatória oferta de carne suína na merenda será avaliado na CCJ

Está na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara o PL…

11 horas ago

Crueldade em Brotas (SP) também é sobre consumo de leite e queijo

Sobre a crueldade envolvendo as mais de mil búfalas na Fazenda da Água Sumida em…

13 horas ago

Quem pensa no porco quando come sua carne?

Enquanto Bia comia lombinho de porco e enroladinho de bacon, ele olhava para Nestor e…

2 dias ago