Humanos são os culpados pelo coronavírus, não os animais

"Estamos aumentando a circulação de animais – para produção de remédios, como animais de estimação, alimentos - em uma escala que nunca fizemos antes"

“As respostas sugerem a necessidade de repensar como tratamos o planeta”, enfatiza a publicação (Foto: Macau Agency/Unsplash)

Ontem (19), a CNN publicou uma reportagem especial informando que embora morcegos possam ser uma fonte de coronavírus, cientistas concordam que eles não são os culpados pela doença que está afetando o mundo todo, mas sim os humanos.

Zoólogos e especialistas em doenças disseram à CNN que o comportamento humano aliado à destruição do habitat desses animais permitiu que doenças que antes existiam somente na natureza hoje chegassem rapidamente às pessoas.

Necessidade de repensar como tratamos o planeta

Os cientistas ainda não sabem ao certo onde o vírus se originou, mas tipos semelhantes aos que causam o Covid-19 foram vistos em morcegos-ferradura na China. Isso levou a questões urgentes sobre como a doença passou das comunidades de morcegos – muitas vezes intocados pelos humanos – para se espalhar pela Terra.

“As respostas sugerem a necessidade de repensar como tratamos o planeta”, enfatiza a publicação. “Quando eles voam, eles têm um pico de temperatura corporal que imita a febre”, disse Andrew Cunningham, professor de epidemiologia da vida selvagem da Sociedade Zoológica de Londres.

“Isso acontece pelo menos duas vezes por dia com os morcegos – quando eles voam para se alimentar e depois retornam. E assim os patógenos que evoluíram nos morcegos evoluíram para suportar esses picos de temperatura corporal.”

Atividades humanas estão causando isso

Cunningham disse que isso representa um problema em potencial quando essas doenças são transferidas para outra espécie. “Nos seres humanos, por exemplo, a febre é um mecanismo de defesa projetado para elevar a temperatura do corpo e matar um vírus. Um vírus que evoluiu em um morcego provavelmente não será afetado por uma temperatura corporal mais alta”, alertou.

Mas por que a doença é transferida em primeiro lugar? “As causas subjacentes ao transbordamento zoonótico de morcegos ou de outras espécies selvagens quase sempre demonstraram ser resultado da ação humana. Atividades humanas estão causando isso”, defendeu o especialista.

Quando um morcego é estressado – ao ser caçado ou ter seu habitat destruído pelo desmatamento – seu sistema imunológico é desafiado e ele encontra mais dificuldade em lidar com os patógenos. “Acreditamos que o impacto do estresse nos morcegos seria muito semelhante ao impacto nas pessoas”, disse Cunningham.

Animais estressados são mais vulneráveis ao desenvolvimento do vírus

No provável epicentro do vírus – os chamados mercados úmidos de Wuhan, na China – onde os animais selvagens são mantidos em cativeiro e vendidos como iguarias ou animais de estimação, pode ocorrer uma mistura aterradora de vírus.

“Se eles estão sendo transportados ou mantidos em mercados, próximos a outros animais ou humanos, há uma chance de que esses vírus sejam lançados em grandes números.” Cunningham disse que os outros animais em um mercado como esse também são mais vulneráveis à infecção, porque também estão estressados.

“Estamos aumentando a circulação de animais – para produção de remédios, como animais de estimação, alimentos – em uma escala que nunca fizemos antes”, disse Kate Jones, coordenadora do Departamento de Ecologia e Biodiversidade da University College London.

É fácil apontar o dedo para espécies hospedeiras

“Também estamos destruindo seu habitat em cenários cada vez mais dominados por humanos. Os animais estão se misturando de maneiras estranhas que nunca haviam acontecido antes.”

Cunningham e Jones apontaram para um fator que significa que casos raros de transbordamento zoonótico podem se transformar em problemas globais em semanas.

“Hoje em dia, com transporte motorizado e aviões, você pode estar em uma floresta no centro da África um dia e no centro de Londres no dia seguinte.”

Eles dizem que existem duas lições simples que a humanidade deve aprender rapidamente. Primeiro, os morcegos não são os culpados e podem realmente ajudar a fornecer a solução. “É fácil apontar o dedo para as espécies hospedeiras”, disse Cunningham.

Danos ambientais podem matar seres humanos rapidamente

“Mas, na verdade, é a maneira como interagimos com eles que levou à propagação pandêmica do patógeno”. Ele acrescentou que o sistema imunológico deles é pouco conhecido e pode fornecer pistas importantes. “Compreender como os morcegos lidam com esses patógenos pode nos ensinar como lidar com eles, se eles se espalharem para as pessoas.”

Em última análise, doenças como o coronavírus podem estar aqui para ficar, à medida que a humanidade cresce e se espalha para lugares que não contavam com sua presença. Cunningham e Jones concordam que isso tornará a mudança do comportamento humano uma solução mais fácil do que o desenvolvimento de uma vacina muito cara para cada novo vírus.

O coronavírus é talvez o primeiro sinal claro e indiscutível da humanidade de que os danos ambientais também podem matar seres humanos rapidamente. E isso também pode acontecer novamente, pelas mesmas razões.

Destruir habitats é uma causa e restaurá-los é uma solução

“Há dezenas de milhares [de vírus] esperando para serem descobertos”, disse Cunningham. “O que realmente precisamos fazer é entender onde estão os pontos críticos de controle da propagação zoonótica e impedir que isso aconteça nesses locais. Essa será a maneira mais econômica de proteger os seres humanos.”

Jones explicou que os vírus “estão aumentando mais porque existem muitos de nós e estamos muito conectados. A chance de mais efeitos zoonóticos em seres humanos é maior porque estamos degradando o meio ambiente. Destruir habitats é uma causa, restaurá-los é uma solução.”

A lição final é que os danos ao planeta também podem atingir as pessoas de maneira mais rápida e severa do que as mudanças climáticas.

“Não está tudo bem em transformar uma floresta em uma propriedade agrícola sem entender o impacto que tem no clima, no armazenamento de carbono, na potencialização de doenças e nos riscos de inundação”, disse Jones. “Você não pode fazer essas coisas isoladamente sem pensar no que isso causa aos humanos.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here