Categorias: NotíciasOpinião

Nelson Barbudo propõe criação de animais para caça esportiva

Foto: Câmara

Um dos argumentos utilizados por parlamentares que defendem a caça esportiva no Brasil é que a prática contribuiria com o controle populacional das espécies.

Embora na realidade a caça esportiva seja uma forma de banalização da vida não humana, já que vincula a esporte, hobby e entretenimento uma prática baseada na matança de animais incapazes de defesa diante de uma arma, e ainda a classifica como “saudável”, o projeto de lei de maior visibilidade sobre o tema hoje – 5544/2020, de Nilson Stainsack (PP-SC) – também tem o objetivo de fortalecer a caça como um negócio.

Afinal, ele defende que a caça é uma atividade rentável e seus apoiadores também. O deputado Nelson Barbudo (PSL-MT), por exemplo, que é o relator da proposta na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, ainda vai além da questão do suposto “controle populacional”. Ele é autor de um substitutivo em que não apenas defende a caça esportiva como sugere a criação de animais para tal finalidade.

Essa informação pode ser confirmada no terceiro artigo do substitutivo. Ou seja, Barbudo não apenas apoia o PL da caça esportiva como quer torná-lo ainda mais prejudicial aos animais.

Além disso, ainda que o projeto de lei cite o javali como exemplo de alvo da caça esportiva, consta que a prática pode envolver “determinadas espécies de animais”, sem especificá-las, gerando possibilidades ainda mais preocupantes e insegurança jurídica em relação à preservação de animais silvestres.

Substitutivo, bem-estar animal e retirada de pauta

O substitutivo também apoia o uso de cães na caça, e independente de raça, tanto para rastreamento quanto para agrupamento e agarre de animais – o que significa também colocá-los em risco e expondo-os a situações de maus-tratos e crueldade animal.

Ou seja, tudo que é apresentado vai na contramão do bem-estar animal – desde a transformação da morte de um animal em lazer até os métodos utilizados, abrangência e especificações.

Embora o PL 5544/2020 tenha sido retirado de pauta esta semana, isso não significa que não tentarão aprová-lo, até porque o projeto de lei só não foi votado ainda na Comissão de Meio Ambiente da Câmara por causa da repercussão negativa da proposta.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Visualizar comentários

  • Inacreditável que habitantes de outro planeta tenham "aterrisado" na Terra por engano, a fim de contribuir às avessas com sua fauna e flora, na contra mão do perfil ecologicamente correto do mundo, para faze-lo regredir, tentando entravar sua evolução e seu progresso, diante do Universo estarrecido, atônito e perplexo.

Posts Recentes

Segundo estudo, consumo de carne precisa ser reduzido em 75%

De acordo com um estudo da Universidade de Bonn publicado em abril no Annual Review…

14 horas ago

PL que proíbe exigência de caução para internação emergencial de animais é rejeitado

Um projeto de lei que visa proibir a exigência de caução ou garantia similar em…

15 horas ago

Tchecos desenvolvem carne de porco cultivada usando microalgas

A foodtech tcheca Mewery, de Brno, está desenvolvendo carne de porco cultivada usando microalgas em…

16 horas ago

Carne, quando cheiro de bicho é cheiro de antibiótico

Viu a agulha penetrando a pequena criatura. Crescia e a agulha também. Mais saudável, saudável,…

18 horas ago

Morrer no matadouro é ser privado de si

Porcos pendurados em sequência na roldana - como se o mesmo corpo se repetisse ao…

2 dias ago

Comissão avaliará PL de Tereza Cristina que proíbe uso do termo “leite” para produtos vegetais

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços será a primeira da Câmara a…

3 dias ago