Por que o combate ao consumo de carne é tão importante

Ilustração: Tommy Kane

Por que o combate ao consumo de carne é tão importante? Muitos produtos de origem animal não teriam uma produção viável se tantos animais não fossem criados para a obtenção de carne.

Podemos pensar também em produtos não comestíveis, mas que dependem de partes desses animais que são criados, em primeiro lugar, para serem privados da própria carne.

Se muitas pessoas deixassem de consumir carne, como outros ingredientes de origem animal que dependem da criação de animais para obtenção de carne seriam possíveis se tantos animais não estivessem sendo criados para essa finalidade?

É o consumo de carne que torna viável para a indústria de produtos de origem animal apropriar-se tanto de partes classificadas como comestíveis ou não comestíveis desses animais para utilizá-las nas mais diversas indústrias.

Ao consumir carne, também estamos determinando por meio de nossos hábitos a viabilização da comercialização e uso de qualquer parte de um animal que seja relevante para a indústria. Em relação aos bovinos, por exemplo, dos cascos aos chifres.

Se o consumo de carne caísse bastante, a indústria não teria como sustentar a continuidade do uso de animais como meio de subprodutos da forma como ocorre hoje, porque o custo seria elevado e a obrigaria a buscar alternativas sem o uso desses animais. A indústria de couro animal no Brasil, por exemplo, não se sustentaria sem as grandes indústrias frigoríficas.

Em um contexto em que a demanda por carne é elevada, é isso que também torna tão normalizado e surpreendente a facilidade com que podemos nos deparar com tantas partes de animais sendo usadas até para fins que sequer imaginávamos.

Se podemos estranhar tantos usos de animais, isso só é possível pelo que é primário em relação ao uso desses animais a partir da pecuária.

Logo se um grande número de pessoas deixa de consumir carne, um número que seja o suficiente para realmente impactar na indústria, essa indústria será obrigada a mudar suas bases de produção.

Com uma grande queda do interesse pela carne, não apenas a disponibilidade de carne será afetada, mas também dos subprodutos que dependem da morte de animais.

Jornalista (MTB: 10612/PR), especialista em jornalismo cultural, histórico e literário e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *