Desmatamento na Amazônia cresce 123% em novembro

Desmatamento para expansão pecuária em Lábrea, município amazonense campeão de devastação em abril (Foto: Victor Moriyama/Amazônia em Chamas)

A área sob alertas de desmatamento em novembro atingiu 555 quilômetros quadrados, um aumento de 123% em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo dados do sistema Deter-B, do Inpe, divulgados na sexta-feira (9).

É o segundo pior resultado da série histórica iniciada em 2015, perdendo apenas para 2020, quando a área desmatada em novembro chegou a 563 quilômetros quadrados.

O acumulado de alertas de agosto a novembro atingiu 4.574 quilômetros quadrados, recorde da série histórica. Já é maior inclusive que todo o período de agosto a dezembro de 2020, que registrou 4.476 quilômetros quadrados.

Como a taxa de desmatamento na Amazônia é medida sempre de agosto de um ano a julho do ano seguinte, o estrago será herdado em 2023. O aumento em relação ao mesmo período do ano passado é de 51%.

O município com maior área desmatada nos últimos quatro meses foi Lábrea, no Amazonas, com 209 quilômetros quadrados.

A taxa oficial de desmatamento deste ano, medida por outro sistema do Inpe, o Prodes, foi divulgada no último dia 30: ​mesmo com uma queda de 11% no último ano, o mandato atual teve o maior aumento da devastação desde o início das medições por satélite, na década de 1980.

Enquanto o desmatamento subiu 60% em quatro anos, as multas aplicadas pelo Ibama na Amazônia caíram 38% no mesmo período. A BR-319 é um dos fatores que explicam o fato de o Amazonas ter sido o único estado com desmatamento em alta no ano de 2022.

“Esse resultado chega três dias depois da aprovação da regulação europeia contra o desmatamento importado”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Jornalista (MTB: 10612/PR), especialista em jornalismo cultural, histórico e literário e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *