Estudo de Harvard destaca que quanto mais saudável uma dieta à base de vegetais, melhor para o meio ambiente

De acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade Harvard, quanto mais saudável for uma dieta à base de vegetais, melhor também será para o meio ambiente. O objetivo da pesquisa foi comparar a diversidade de dietas com e sem alimentos de origem animal e quais são mais benéficas.

A conclusão do estudo conduzido pela Escola de Saúde Pública de Harvard foi que dietas à base de vegetais ricas em alimentos refinados e bebidas açucaradas exigem mais terras cultiváveis e fertilizantes em comparação com as dietas à base de vegetais que priorizam alimentos integrais.

“As descobertas também mostraram que a carne vermelha e processada teve o maior impacto ambiental de todos os grupos de alimentos nas dietas dos participantes, produzindo a maior parcela de emissões de gases de efeito estufa e exigindo mais água para irrigação, terras agrícolas e fertilizantes.”

Segundo a pesquisadora de pós-doutorado do Departamento de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard, Aviva Musicus, as diferenças entre as dietas à base de vegetais deixam claro que, embora muitas vezes retratadas como universalmente saudáveis e boas para o meio ambiente, podem apresentar variações.

“Não estamos afirmando que dietas à base de vegetais menos saudáveis são piores para o meio ambiente do que dietas com produtos animais. No entanto, nossas descobertas mostram que as dietas à base de vegetais podem ter diferentes impactos ambientais e de saúde.”

O estudo, que é um dos primeiros a analisar simultaneamente os impactos na saúde e no meio ambiente de várias dietas à base de vegetais, foi publicado na edição de novembro de 2022 do The Lancet Planetary Health.

Usando dados do Nurses ‘Health Study II, os pesquisadores analisaram a ingestão de alimentos de mais de 65 mil participantes qualificados e examinaram as associações de suas dietas com resultados de saúde, incluindo riscos relativos de doenças cardiovasculares e impactos ambientais.

Para diferenciar os padrões alimentares de dietas à base de vegetais, os pesquisadores caracterizaram as dietas dos participantes usando vários índices alimentares, incluindo os Índices de Dieta Vegetal Saudável e Insalubre.

Pontuações mais altas no índice de dieta não saudável à base de vegetais indicaram maior consumo de grãos refinados, bebidas açucaradas, sucos de frutas industrializados, batatas e doces/sobremesas; enquanto pontuações mais altas no índice de dieta saudável à base de vegetais indicaram maior consumo de grãos integrais, frutas, verduras, legumes, leguminosas, oleaginosas, óleos vegetais e chá/café.

Os participantes que têm uma dieta saudável à base de vegetais tiveram menor risco de doenças cardiovasculares, e essas dietas apresentaram menores emissões de gases de efeito estufa e uso de terras agrícolas, água (irrigação) e fertilizantes nitrogenados do que dietas com alimentos de origem animal ou que continham mais alimentos não saudáveis de origem vegetal.

As descobertas também reforçaram estudos anteriores mostrando que dietas com mais alimentos de origem animal, especialmente carne vermelha e processada, têm maiores impactos ambientais adversos do que dietas à base de vegetais.

“Como a saúde humana depende, em última análise, da saúde planetária, as futuras diretrizes dietéticas devem incluir consideração diferenciada da sustentabilidade ambiental e reconhecer que nem todas as dietas à base de vegetais conferem os mesmos benefícios à saúde e ao meio ambiente”, diz Daniel Wang, professor assistente do Departamento de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard e coautor do estudo.

Clique aqui para ter acesso ao estudo completo.

Jornalista (MTB: 10612/PR), especialista em jornalismo cultural, histórico e literário e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *