Por que animais que serão abatidos geralmente não têm nome?

Uma reflexão a partir do filme “Homens à beira de um ataque de nervos”, de Audrey Dana

Por que quando um animal criado para consumo recebe um nome é mais difícil desejá-lo morto (carne) ou matá-lo?

Não que seja sempre assim, mas dar um nome a um animal que será morto para fins alimentícios possibilita um conflito porque o nome surge como um reconhecimento do animal, de que ele é um indivíduo, e um indivíduo em relação.

No filme francês “Homens à beira de um ataque de nervos”, de Audrey Dana, há uma cena em que Hippolyte fica incomodado ao saber que um galináceo morto e que só ele deseja comer se chamava Robert. E mais, isso o deixa irritado.

O nome foi dado por quem não via no animal uma criatura a ser morta e comida, diferentemente de Hippolyte, que pergunta: “Por que você foi dar nome ao bicho?” Mais tarde, Hippolyte não come o animal e o sepulta.

Sabemos que animais criados para consumo normalmente não recebem nomes. A maioria recebe identificação baseada em números, que são reafirmações de estado de propriedade, assim como humanos também fazem com itens, objetos.

A ausência de nome também ratifica a condição do animal de não ser criado para viver, de um “breve estar”, e por não ser para viver, crê-se que prescinde de nome nessa relação que é direcionada à morte e não à vida.

A ausência de nome também facilita o distanciamento em relação ao animal, porque a nominação é baseada em uma relação em que não se pensa no seu fim, não com a brevidade do que ocorre com animais que são criados para a morte, e porque isso é mais comum quando não há um fim como objetivo.

Alguém pode dizer que nominar um animal não humano é antropomorfizá-lo, alegando que o nome não é relevante a ele, mas a nominação tem um efeito na consciência humana pela significação cultural da atribuição de nome.

Claro que se isso muda algo para um ser humano, como no incômodo de Hippolyte, é porque o nome tira a comum abstração do não pensar no animal como indivíduo, mas “só mais um meio de obtenção de carne”.

Um animal com nome é mais pensado como alguém do que um animal sem nome. Quando um animal criado para consumo tem um nome não conclui-se que tão logo tal animal já não estará aqui, diferentemente do que não tem nome, mesmo que a única diferença entre eles seja a nominação.

O filme está disponível no Prime Video.

Leia também “Por que comemos indivíduos?” e “Animais não deveriam ser reduzidos a propriedades“.

Jornalista (MTB: 10612/PR), especialista em jornalismo cultural, histórico e literário e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

2 respostas

  1. Putz, David… sou jornalista e vegano radical há mais de 30 anos. adoraria participar do Vegazeta. seus textos são muito bons: cultos, questionadores, ousados e avançados. precisamos de coisas assim para evitar a mortandade diária dos animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *