Categorias: Contos e Crônicas

Sobre o estranho hábito de comer animais

Pintura: Dana Ellyn

Fartavam-se num banquete em que todos os pratos tinham carne – “carne solo ou inconspurcada”, como chamavam, e recheados, bolos, tortas e saladas. Tudo repleto de carne, até o que você não imagina.

Entre garfadas apressadas e cortes que atravessavam com violência à carne morta, olhos brilhavam e o êxtase fazia corpos tremelicarem. Definiram como um éden das delícias que só os tolos não gostariam.

“Que maravilha! Que apetitoso!” Quanto mais comiam, mais queriam. Tempo passava e a gulodice perenizava. Em parte, pequena ou maior, não havia problema, porque era banquete de longa duração.

No dia seguinte, a comilança continuou. Massageavam a barriga, mas não sentiam-se mal, e sim numa “plenitude de ledice”. Os mais tímidos recolhiam-se aos cantos para arrotar.

Um rapaz ficou constrangido quando baforou sobre a roseira que num instante morreu. Outros também mataram coisas pra cá e pra lá, a partir das porções sem vida que acumulavam numa pré-digestão indisposta a trabalhar com todo o bolo de libitina.

De repente foram informados de que todo o agrado veio de boa carne de cão e gato. “Isso mesmo, meus amigos! Nada de boi, de porco, de frango, de ovino ou caprino. Somente cão e gato, animais que confinamos, agradamos e alimentamos com o que há de melhor. E por que podemos? Porque oferecemos um sistema seguro de bem-estar animal e abate humanitário”, disse o anfitrião.

Viu indignação e cólera. Alguns ameaçaram atacá-lo. “És um louco, desalmado. Como pode ser tão cruel?” “E pacífico é comer a carne de outros animais? Quais membros tem um cachorro ou gato que não tem um boi ou porco? Não são de quatro patas, com cabeça, olhos, boca, narinas e orelhas? O que um sente que noutro é ausente?” “És um verme! Um imoral!”

“Que há de errado em ser um verme? Este não alimenta-se das coisas que rejeitamos? Não é criatura de equilíbrio ecológico e, por extensão, social? Sobre ser imoral, não seria eu também por comer um, ainda que não outro? Se me sinto confortável com a seletividade determinada por maneiras de convivência e conveniência é porque olho apenas para os animais que não remexem no bolo do meu estômago.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

11 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

12 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

14 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

1 dia ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

1 dia ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago