A caminho do abate, um frango saltou do caminhão

Nasceu por esses dias e já não tinha ninguém. Vez de morrer

Correr e correr, na incerteza do que se vê (Foto: Reprodução)

A caminho do abate, um frango saltou do caminhão e rolou pela rodovia enquanto penas se soltavam e voavam. Ia de um lado para o outro tentando desviar dos carros que iam e vinham. Ninguém se importava.

Pneus quase tocavam a pele macia, e gemia, sofria. Sacolejava as asas sujas e prosseguia. Queixas ninguém ouvia. Apenas pedaço de carne que se movia no asfalto que aquecia.

Nasceu por esses dias e já não tinha ninguém. Vez de morrer. Correr e correr, na incerteza do que se vê. Outro lado parecia distante – nunca chegava, mas a vontade estimulava.

Mais um, dois, três, quatro desvios. Será? Arfando, com o coração rufando e abafando entre os sons da rodovia, enfiou-se na mata e por instante cochilou. Foi cacarejo que o despertou.

Emanado da rodovia sumia, já inexistia. Titubeou, levantou e se apressou. Seguiu a trilha almiscarada e alumiada. Encontrou cercado, casa e plaquinha – Abrigo de Animais Dona Zezinha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here