Categorias: Destaques

Como sofrem as vacas

Ilustração: Twyla Francois

Em frente aos expositores refrigerados, observou diversidade de laticínios – queijos, requeijões, manteigas, sobremesas, iogurtes e outras bebidas. “Quantas opções. Mas quem pensa em quem não tem opção?” Refletiu sobre a intimidade da vaca violada para fins econômicos.

“Gerar um filho, ser privada desse convívio, do exercício maternal. Produtos lácteos dependem da gestação de quem não escolheu parceiro, de quem foi invadida por mãos humanas. Dependem da lactação da vaca.”

Diante de seus olhos, produtos desapareciam das fileiras. “Mamíferos precisam nutrir suas proles em desenvolvimento. Mas em vez de amamentar bezerros, no caso das vacas, ‘amamentam’ humanos – de crianças a idosos.”

As ideias salteavam, iam e voltavam, enquanto seus olhos vagueavam entre queijos e iogurtes. “Sempre imagino alguém pendurado na teta de uma vaca quando consome algum produto lácteo…Por sua própria natureza, vacas jamais alimentariam humanos.”

Nascer, experimentar leite e morrer. Isso acontece o tempo todo no mundo dos bezerros. “O condicionamento, a conveniência e os confortos da industrialização que continuam ampliando a produtificação não humana tornaram essa estranha relação ainda mais digna de um imperativo de reprovação.”

E continuou: “Quem vê o sangue no fundo das bandejas, garrafas e potinhos? Há sangue sim, mas a percepção depende de um lampejo de consciência.” Tudo parecia tão esteticamente agradável nos expositores. Belas embalagens, destacando supostos benefícios de produtos à base de nutrientes para bebês não humanos.

“Nem bovinos mamam por toda a vida. Mas humanos mamam até morrer, porque consumir laticínio é mamar, sugar o máximo que pudermos de outra espécie. Moldamos e sugamos suas experiências, sugamos suas vidas, sugamos suas relações sociais e, não satisfeitos, sugamos até a carne de seus ossos quando deixam de ser produtivas.”

Sim, tem carne no leite e tem leite na carne. “Como posso dizer que estou diante de produtos gerados de forma pacífica? A beleza que existe aqui é a fealdade que ignoram fora daqui.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Segundo estudo, consumo de carne precisa ser reduzido em 75%

De acordo com um estudo da Universidade de Bonn publicado em abril no Annual Review…

15 horas ago

PL que proíbe exigência de caução para internação emergencial de animais é rejeitado

Um projeto de lei que visa proibir a exigência de caução ou garantia similar em…

16 horas ago

Tchecos desenvolvem carne de porco cultivada usando microalgas

A foodtech tcheca Mewery, de Brno, está desenvolvendo carne de porco cultivada usando microalgas em…

17 horas ago

Carne, quando cheiro de bicho é cheiro de antibiótico

Viu a agulha penetrando a pequena criatura. Crescia e a agulha também. Mais saudável, saudável,…

19 horas ago

Morrer no matadouro é ser privado de si

Porcos pendurados em sequência na roldana - como se o mesmo corpo se repetisse ao…

2 dias ago

Comissão avaliará PL de Tereza Cristina que proíbe uso do termo “leite” para produtos vegetais

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços será a primeira da Câmara a…

3 dias ago