Covid-19 provoca maior queda de consumo de carne em décadas

Há indícios de uma mudança estrutural ocorrendo, com milhões consumindo mais proteínas de origem vegetal”

Previsão é de que a queda no consumo de carne não chegue ao fim antes de 2025 (Fotos: Getty/Ash Sudra)

A Bloomberg publicou esta semana que a pandemia de covid-19 já provocou a maior queda global de consumo de carne em décadas, assim como uma redução de 3% em relação a 2019. A afirmação é baseada em informações da Organização das Nações Unidas (ONU).

Além de uma mudança global, a ONU observou que há reduções mais drásticas de demanda por carne em algumas regiões do mundo. A previsão é de que a queda não chegue ao fim antes de 2025.

Impacto e consequências

Os fatores que contribuem para isso incluem consequências econômicas, menor circulação de pessoas em restaurantes e crescimento da desconfiança em relação às proteínas de origem animal.

Na China, o impacto tem sido maior porque o país é responsável por cerca de um quarto do consumo mundial desses produtos – e já suspendeu parcialmente a importação de carne do Brasil.

Mais nações têm desacelerado as exportações de proteínas de origem animal. Outra causa é a disseminação da covid-19 em muitos frigoríficos mundo afora.

A Bloomberg cita a realidade nos EUA, Brasil e Alemanha, que ganharam as manchetes internacionais pelo elevado número de contaminações na indústria de processamento de carne.

Uma mudança alimentar estrutural

“Funcionários lidam com trabalhos perigosos, baixos salários e poucos benefícios. [Mas] ainda é cedo para dizer se o novo escrutínio público sobre as condições dos trabalhadores afetará a demanda”, acrescenta.

“Ativistas do clima pedem há anos a redução do consumo de carne. A agricultura é responsável por mais emissões globais de gases do efeito estufa do que o transporte, graças à produção agropecuária. Apenas carne e laticínios são responsáveis ​​por até 18% das emissões globais de gases do efeito estufa”, reforça a publicação com base em pesquisa da ONU.

Há uma percepção de que a pandemia pode despertar cada vez mais pessoas para a necessidade de uma mudança alimentar em grande escala. “Há indícios de uma mudança estrutural ocorrendo, com milhões consumindo mais proteínas de origem vegetal.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here