Curta expõe realidade dos animais enviados para o abate

“Assim como todo o meu trabalho com animais, isso não é uma coisa fácil [de testemunhar] (Foto: Jo-Anne McArthur)

“Moving Animals”, um curta-metragem de 13 minutos lançado este ano, expõe a realidade de milhões de animais que atravessam a fronteira entre a Bulgária e a Turquia para serem abatidos.

O filme protagonizado pela fotojornalista canadense Jo-Anne McArthur, que acompanha os caminhões que levam animais para os matadouros, é dirigido e produzido por Miguel Endara.

Jo-Anne começa o filme explicando que é uma fotógrafa dos animais e pelos animais, em referência a todos aqueles criados para consumo ou qualquer outra finalidade de exploração, já que o seu trabalho tem como principal objetivo ajudá-los.

“É hora de mostrar a dura realidade de como os outros animais estão vivendo”, diz. Junto com a organização Eyes on Animals, Jo-Anne McArthur e Miguel Endara passam uma semana na fronteira documentando o transporte de animais, além de visitarem um matadouro turco.

Bezerro deixado para morrer

Quando sobe em um caminhão para fotografá-los, um bovino, que logo estará morto, aproxima-se e lambe Jo-Anne. “Muitas vacas prenhas são transportadas e às vezes elas dão à luz nesses caminhões. Nós conhecemos um dos bezerros [nascidos nesse ambiente] e que foi deixado para morrer. A Eyes on Animals conseguiu cuidados veterinários para ele.”

O curta mostra a realidade do jovem bovino que seria descartado por não proporcionar bom retorno financeiro, o que ainda é comum no mundo todo. Bem debilitado, o animal é exemplo de uma realidade ordinária e pouco conhecida e considerada pelos consumidores.

“Assim como todo o meu trabalho com animais, isso não é uma coisa fácil [de testemunhar]. Mas é isso que os fotojornalistas de animais fazem – criar a prova que ajuda a galvanizar e estimular a mudança”, explica a canadense.

“Este é o meu mundo. Junte-se a mim enquanto subo em caminhões e em silêncio acompanho os animais que vão para o abate. Junte-se a mim nas estradas empoeiradas e na minha pequena mesa de edição de quarto de hotel, enquanto Miguel e eu discutimos sobre animais, fotojornalismo animal e gentileza.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

2 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

3 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

3 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

3 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

3 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

3 semanas ago