Categorias: Opinião

Debicagem, violência financiada pelo consumo de ovos

Foto: Jan Van Ijken

Nasce com bico, mas não pode tê-lo, não integralmente, sem mutilação, sem destruição parcial. É como se ter bico fosse antinatural, incorreto, proibido. Não é difícil concluir isso quando uma prática como a debicagem é tão normalizada.

É mais uma das violações ao corpo não humano, ao não direito ao que é intrínseco à sua fisicalidade. E o animal que a sofre não é ainda uma galinha, já que o processo, que também é parte da reificação, ocorre entre o primeiro ao décimo dia de vida.

Que direito o animal tem sobre o próprio corpo quando a definição sobre quais partes devem ser mutiladas ou mantidas é determinada por atividade indissociável do nosso sistema alimentar?

Alega-se que as aves podem praticar violência entre elas, que pode haver canibalismo, que podem bicar os ovos (que são seus por inerência) e que tal mutilação também é benéfica à conversão alimentar.

Ou seja, todos os motivos para a debicagem são norteados e justificados por interesses de lucro/consumo que impulsionam formas de descaracterização. Afinal, correto seria dizer que remover algo de um animal, e que é parte da sua condição animal, não evoca uma desanimalização?

Ademais, a própria associação com possível canibalismo não pode ser desconectada de sua contextualidade, já que nada é mais impulsionador de determinados comportamentos, que dependem de respostas emocionais, podendo ser identificadas como “viscerais”, do que o próprio contexto.

Porém, se tal reação é vista como extrema ou chocante, o que dizer do sistema que é razão de tal ação? E cada ação entendida dessa forma pode ter sido precedida por um acúmulo de inação do mesmo animal.

Claro, também podemos entender que esses animais não são “criaturas naturais”. A “condição doméstica” do animal, gerada e reduzida pelo sistema à “condição produtiva”, é conflitante à própria natureza inaturalizada – em consequência de uma conexão/desconexão entre ancestralidade/realidade/finalidade.

E todos os conflitos vividos por esse animal são favorecidos pela atribuição de finalidade, que é o que impulsiona a chegada de tantos animais ao mundo para serem submetidos ao nosso sistema alimentar.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Plataforma vegana oferece acesso gratuito a 90 filmes

A plataforma vegana de filmes por streaming VegMovies está oferecendo acesso gratuito a 90 filmes…

12 horas ago

Chega ao Brasil colágeno vegano bioidêntico para produtos alimentícios e de beleza

Como muitos produtos dermocosméticos, incluindo as balas gummies, possuem em suas composições ingredientes de origem…

13 horas ago

O que leva alguém a trabalhar matando animais?

Há inúmeras respostas e inferências sobre o que leva a alguém a trabalhar matando animais.…

15 horas ago

Delivery vegano registra 70% de crescimento no Brasil

No primeiro trimestre de 2022, a foodtech de delivery vegano Veggi teve crescimento de 70%…

2 dias ago

Senado votará PL que proíbe uso de animais no ensino, pesquisa e desenvolvimento de cosméticos

Com parecer favorável do senador e relator Alessandro Vieira (PSDB-SE), o Projeto de Lei da…

2 dias ago

A pedido de consumidores, Argentina determina identificação de produtos veganos

O governo argentino anunciou esta semana a resolução 5/2022, publicada no Diário Oficial, que atualiza…

2 dias ago