Deputado sugere CPI para investigar queimadas na Amazônia

Em 2019, queimadas já somam o maior número registrado em sete anos - 72.843 pontos de incêndio

Queimadas aumentaram 83% em relação ao mesmo período de 2018 (Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace)

Ontem (21), durante reunião da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, o deputado José Nelto (Pode-GO) sugeriu a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar as queimadas na Amazônia. A preocupação é com um possível boicote internacional.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre janeiro e agosto deste ano, as queimadas aumentaram 83% em relação ao mesmo período de 2018, e somam o maior número registrado em sete anos – 72.843 pontos de incêndio.

Durante a reunião, o deputado Airton Faleiro (PT-PA) da Frente Parlamentar Ambientalista apresentou um abaixo-assinado com mais de um milhão de assinaturas de brasileiros cobrando providências contra o descaso na Amazônia.

“Essa é uma canoa furada, que vai levar o Brasil a perder contratos no exterior. Somos defensores de uma política equilibrada do ponto de vista social e ambiental”, disse Faleiro, em crítica à repercussão da omissão na Amazônia.

O deputado Sidney Leite (PSD-AM) se posicionou contra as queimadas, mas defendeu o uso de tecnologias que permitam substituir tais práticas. “Não somos a favor do desmatamento ilegal, mas não haverá desenvolvimento sustentável sem desenvolvimento econômico”, declarou.

Já o deputado Israel Batista (PV-DF) reprovou as afirmações do presidente Jair Bolsonaro, de que ONGs internacionais estariam provocando incêndios na Amazônia.

“A floresta começou a pegar fogo durante a campanha presidencial, com o discurso antifloresta, anti-meio ambiente, anti-Ibama, anti-ONGs. É esse discurso que autoriza, moralmente, as pessoas a cometerem crimes”, criticou.

Expulso do PSL, o deputado Alexandre Frota (SP), que se filiou ao PSDB, também criticou a posição de Bolsonaro de negar dados envolvendo desmatamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here