Categorias: NotíciasPolítica

Deputados exigem mais apoio à pesca esportiva

Nishimori e Barbudo são autores de propostas em defesa da pesca esportiva (Fotos: Pablo Valadares/Will Shutter/Câmara dos Deputados)

O Projeto de Lei 618/2019, do deputado federal Luiz Nishimori (PSD-PR), que exige mais apoio à pesca esportiva, precisa ser aprovado por apenas mais uma comissão da Câmara.

A proposta já foi aprovada por duas comissões – Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Na primeira, os deputados aprovaram o parecer favorável à pesca esportiva do relator Pedro Lupion (PP-PR). Na segunda, outra posição favorável endossada pelos deputados veio do relator Airton Faleiro (PT-PA).

Atualmente a proposta aguarda avaliação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, assim como o Projeto de Lei 2877/2019, de Nelson Barbudo (União-MT), que também defende mais apoio à pesca esportiva e foi apensado ao PL 618/2019.

Chama atenção o projeto de lei de Barbudo ter redação idêntica à da proposta de Luiz Nishimori. Tanto no primeiro quanto no segundo PL é alegado que a pesca esportiva é “atividade ecologicamente correta”.

“A enorme biodiversidade de peixes e a variedade de ambientes de pesca (bacias hidrográficas, lagos, reservatórios de hidrelétrica e mais de oito mil quilômetros de costa) confere ao Brasil um enorme potencial para atrair pescadores do mundo inteiro. A atividade carece, entretanto, de apoio governamental e normas específicas que possibilitem a plena organização do segmento”, consta tanto no PL de Nishimori quanto no de Barbudo.

Eles também afirmam que a pesca esportiva possibilita a geração de renda por meio de turismo sustentável nas regiões menos desenvolvidas do país. “Como exemplo, citamos o Estado do Amazonas, no qual a atividade de pesca esportiva movimenta cerca de R$ 70 milhões ao ano, sendo cerca de R$ 10 milhões apenas no município de Barcelos.”

Por outro lado, a proposta é polêmica porque a pesca esportiva resume-se em retirar um peixe da água, causando-lhe ferimento, para devolvê-lo ao seu habitat, e apenas por entretenimento.

Nelson Barbudo argumenta que a prática “contribui para divulgação dos benefícios que a atividade traz para a preservação do meio ambiente”. Porém, a atividade é mais benéfica para o meio ambiente do que se não houvesse esse tipo de interferência que nada mais é do que um hobby, uma atividade humana não essencial?

Saiba Mais

Quando um projeto é apensado sua tramitação ocorre de forma simultânea à da proposta principal.

Clique aqui para opinar sobre o projeto de lei

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

18 horas ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

2 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

3 dias ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

4 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

4 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

4 dias ago