Notícias

Desodorantes veganos de cristal prometem benefícios econômicos e ambientais

Um desodorante de cristal pode durar até dois anos (Foto: Verdê/Divulgação)

O uso de desodorantes de cristal é uma tendência em desenvolvimento no Brasil. Seguindo a linha de campanhas recentes que priorizam cosméticos mais naturais e veganos, esses produtos têm ganhado destaque porque prometem benefícios econômicos e ambientais.

De acordo com a startup curitibana Verdê, o desodorante de cristal ou de pedra é livre de parabenos ou sulfatos e menos suscetível a reações alérgicas, além de não permitir a absorção de alumínio. O uso é bem simples: basta umedecer o cristal com água e passar na axila.

“Já vem com a ponta arredondada, evitando machucados contra a pele. O produto elimina as bactérias que causam odores desagradáveis, sem bloquear as glândulas responsáveis pelo suor – essencial para o equilíbrio de temperatura corporal.”

Embora o custo possa parecer elevado à primeira vista, um desodorante de cristal pode durar até dois anos, o que pode ser benéfico tanto para o bolso quanto para o meio ambiente, segundo a Verdê.

“O desgaste da pedra é lento e eficaz”

“O desgaste da pedra é lento e eficaz, aumentando a durabilidade mesmo com uso regular”, diz Johny Dallasuanna, sócio da Verdê, que mantém uma loja virtual de produtos veganos – livre de qualquer ingrediente de origem animal e de testes em animais.

Para algumas pessoas, o período de adaptação entre o tradicional e o desodorante de cristal pode parecer complicado, mas as próprias marcas apontam um período de 15 dias.

“As mudanças na rotina são pequenas e facilmente adaptáveis. Para iniciar, recomenda-se versões menores dos desodorantes”, diz Dallasuanna, acrescentando que a Verdê trouxe para o Brasil marcas como a alemã Alva e a norte-americana Lafe’s.

Segundo o empreendedor, a startup tem feito curadoria de produtos, atestando que são veganos.

Clique aqui para conhecer a loja da Verdê.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O garoto que acompanhou frangos enviados para o abate

Tião transportava aves para abatedouros menores - frangos abaixo do peso médio e galinhas descartadas…

6 horas ago

Pesquisa estima crescimento de mais de 100% do mercado de alimentos veganos

De acordo com uma pesquisa da Allied Market Research, o mercado de alimentos veganos crescerá…

7 horas ago

Grupos da USP e Universidade de Lisboa realizam colóquio sobre perspectivas indígenas e descolonização dos animais

Na sexta-feira (3), das 10h às 12h30, os grupos Praxis, da Universidade de Lisboa, e…

8 horas ago

PL que torna obrigatória oferta de carne suína na merenda será avaliado na CCJ

Está na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara o PL…

10 horas ago

Crueldade em Brotas (SP) também é sobre consumo de leite e queijo

Sobre a crueldade envolvendo as mais de mil búfalas na Fazenda da Água Sumida em…

11 horas ago

Quem pensa no porco quando come sua carne?

Enquanto Bia comia lombinho de porco e enroladinho de bacon, ele olhava para Nestor e…

1 dia ago