Documentário sobre carne cultivada tem produção de Moby e narração de Jane Goodall

“É algo que pode nos ajudar a salvar o único lar que temos em nossa luta contra as mudanças climáticas”, diz Moby

Filme foi apresentado em 12 festivais e outros eventos em 2021 (Fotos: Divulgação/David Levene/The Guardian)

Dirigido pela premiada cineasta Liz Marshall, de “The Ghosts in Our Machine”, o documentário “Meat the Future”, que apresenta o presente e discute o futuro da carne cultivada, tem produção executiva do músico vegano Moby e narração da primatologista Jane Goodall.

Apresentado em 12 festivais e outros eventos em 2021, o filme foi desenvolvido ao longo de cinco anos. “É uma revolução na produção de alimentos, propondo uma forma sustentável de alimentar o mundo no futuro sem a necessidade de criar e abater animais”, informa “Meat the Future”.

Segundo Moby, o documentário é sobre o notável desenvolvimento da carne cultivada e visa levar informações que evitem interpretações equivocadas. “É algo que pode nos ajudar a salvar o único lar que temos em nossa luta contra as mudanças climáticas”, diz o músico.

Jane Goodall também faz uma observação otimista sobre o que é apresentado em “Meat the Future”: “Estou animada com o documentário porque é focado em soluções. O filme propõe um caminho a seguir para reduzir o metano, reduzir o uso da água e da terra, diminuir o sofrimento dos animais e prevenir surtos virais. Espero que desperte a imaginação e inspire mudanças.”

“Meat the Future” tem como destaque o cardiologista Uma Valeti, cofundador da Upside Foods (ex-Memphis Meats), uma das startups de maior visibilidade no cenário global quando o assunto é carne cultivada. Hoje, Valeti tem como prioridade a redução de custos para que o produto chegue ao consumidor final com preço acessível.

Impacto ambiental da carne

O documentário destaca que a agropecuária ocupa hoje cerca de 45% da superfície global da terra e é responsável por uma grande parte dos danos causados envolvendo degradação do solo, poluição do ar, escassez de água, poluição da água e perda de biodiversidade.

“Pesquisas mostram que seus impactos diretos nas mudanças climáticas são de pelo menos 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa. O advento da carne ‘baseada em células’ apresenta uma alternativa para virar o jogo”, frisa o filme.

“Por exemplo, em comparação com a carne bovina convencional, estima-se que a carne bovina a partir de células reduz o uso da terra em mais de 95%, as emissões de mudanças climáticas em 74% a 87% e a poluição de nutrientes em 94%.”

“Meat the Future” ressalta ainda que os indicadores sugerem que a demanda global por carne dobrará até 2050. “A pesquisa também indica que o consumo de carne pode ser reduzido pela metade nos países de alta renda até 2030.”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 




DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here