Festival de Carne de Cachorro de Yulin será no mês que vem

A estimativa é de que 10 mil cães serão mortos no festival

Não são poucos os cães servidos no festival que são abatidos aos olhos do público (Foto: Billy H.C.Kwok)

A cada ano, ativistas dos direitos animais têm livrado pelo menos mil animais da morte no Festival de Lichia e Carne de Cachorro, onde cerca de dez mil cães são abatidos para consumo. Com duração de dez dias, o festival que ocorre em Yulin no mês que vem, na província de Guangxi, oferece carne de cachorro, carne de gato, lichias frescas e licores.

O primeiro festival foi realizado em 2009, e surgiu a partir da crença de que comer carne de cachorro durante o verão chinês traz sorte e boa saúde. Há até mesmo uma crença de que afasta doenças e aumenta o desempenho sexual dos homens.

O problema é que o custo disso é a morte violenta de milhares de cães, que com certeza não gostariam de ter suas vidas precocemente usurpadas para atender interesses humanos não imprescindíveis, assim como fazemos com bois, vacas, porcos, frangos, galinhas, etc.

Afinal, senciência é senciência, não é mesmo? E todos os animais que os seres humanos comem partilham dessa mesma capacidade. Embora tenha se tornado tradicional, já tem alguns anos que o Festival de Lichia e Carne de Cachorro, mais conhecido internacionalmente como Festival de Yulin, conquistou má fama fora da China, inclusive por práticas nada ortodoxas de abate de animais.

Não são poucos os cães e gatos servidos no festival que são abatidos aos olhos do público. Outro problema é que o festival incentiva o roubo de cães. Prova disso é que visitantes de passagem pelo festival já testemunharam que viram animais com coleira de identificação – cães que também foram mortos para consumo.

No entanto, o que não pode ser desconsiderado é que o Festival de Yulin representa muito pouco quando analisamos o cenário nacional chinês. Há uma estimativa de que pelo menos 10 milhões de cães são mortos por ano na China para serem reduzidos a pedaços de carne, segundo a Humane Society International.

E talvez a prática tenha alguma relação com a Revolução Cultural Chinesa iniciada em 1966, e idealizada por Mao Tsé-tung, que à época proibia que cães fossem criados como animais de estimação, impedindo o desenvolvimento de vínculos afetivos.

Por outro lado, e felizmente, a China se tornou um país onde muitos não concordam nem com a realização do festival nem com o consumo de carne de cachorro. Uma prova disso é que há mais de 62 milhões de cães e gatos domésticos registrados no país.

Há uma estimativa de que mais de 60% dos chineses são contra o festival, incluindo a maioria dos moradores de Yulin. Mas se há tantas pessoas que não concordam com o festival, por que ele continua sendo realizado?

Provavelmente porque muitos o reprovam, mas não o suficiente para deixarem suas casas e protestarem contra a matança de animais iguais aqueles que eles mantêm ao seu lado. Quem sabe, com exceção dos ativistas chineses que fazem o que podem, impere algo como o clichê:

“O que os olhos não veem o coração não sente.” Sobre a possibilidade de se interromper o festival, o governo municipal de Yulin alega que não “há nada a ser feito porque o festival não existe como evento oficial”. Em síntese, o clássico “lava mãos”.

Talvez o Festival de Yulin, que hoje é um evento que ocorre em uma época auspiciosa, afinal, é isso que o verão também simboliza para os chineses, tivesse um potencial muito maior se fosse transformado em um festival só de lichias frescas e licores.

Acredito que atrairia muito mais visitantes. Afinal, lichia e licor combinam muito mais com a fausta representatividade do verão, com sua luz e cores, do que o sangue derramado de criaturas que gostariam de viver.

Claro, não há como negar que a oposição ao festival tem o seu aspecto positivo, de conscientização em relação à coisificação de cães e gatos, mas talvez seja válido ir um pouquinho além, e estender essa mesma preocupação a outros animais que todos os dias matamos aos milhões mais para satisfazer os nossos paladares que sem muitas dificuldades poderiam ser reeducados.

Saiba Mais

Desde 2017, uma campanha criada no site Avaaz pede o fim do Festival de Yulin, que normalmente é realizado no dia 21 de junho. A iniciativa já conta com mais de 3,4 milhões de apoiadores. Se você também é contra, clique aqui e assine a petição. 

(Foto: Billy H.C.Kwok)

5 COMENTÁRIOS

  1. Esse povo que se diz culto e super atualizado tecnicamente,manda caçadores assassinos matar rinocerontes para cortar seus chifres e usar para combater doenças.Essa dos cães é para demonstrar que na realidade ainda são um povo da era da pedra,incultos travestidos de uma falsa inteligência.

  2. Esse sentimento é compartilhado com os veganos quando nós colocamos em nossos pratos carnes de boi,galinha etc.
    Criticar os veganos é mais fácil do que tentar entende -los,meus parabéns pra esses formadores de opiniões ,minha esposa ja esta a 1 ano sem consumo de carne eu estou no processo,meu total respeito aos animais devido a vulnerabilidade servem de alimentos a nações, e não venham com essa que carne é insubstituível pois isso já foi confirmado que existem outras fontes de proteínas tão boas ou até muito mais saudáveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here